Navios de cruzeiro desviados do centro de Veneza

Fotos: Rui Marote
Entrar ou sair em Veneza  a bordo de um navio de cruzeiros é um espectáculo  que os cruzeiristas jamais esquecem. Considero-a o Top dos portos. Chegavam a Veneza entre 500 a 600 navios anuais, e transportavam 30 milhões de turistas. Há 76 anos a população residente era 175 mil habitantes. Após a II Grande Guerra caiu para 50 mil.

Desde de 1987 que é Património Mundial da Unesco e o objetivo das novas medidas é proteger “um património histórico e cultural não apenas italiano  mas de todo o mundo”. Todos os dias chegam ao Porto de Veneza navios de cruzeiro que estão a ser desviados de forma temporária e atracarão em Puerto Marghera, que dista cerca de 10km e serve grandes petroleiros.

A população tem pressionado o Governo para proibir esses navios gigantescos de aportarem ali. Os navios chegam à cidade pela laguna com acesso directo à parte histórica de Veneza. Especialistas afirmam que os navios de cruzeiro são um risco para a laguna, criam ondas que corroem as fundações da cidade e trazem mais turistas do que a cidade consegue suportar.

Esses navios também causam alterações no fundo da laguna e dos canais e, consequentemente. mais impacto ambiental. Por exemplo, prejudicam o ecossistema ao acabar com bancos de areia que servem de lar a vários animais além da intensificarem a chamada “acqua alta”, já que há mais água nos canais da cidade (para se ter uma ideia, há menos de um século, a profundidade média da laguna era de 40 cm; hoje, é de 1,2m.

O ministério da Transição Ecológica Italiano tomou a decisão de encerrar temporariamente. Resta lembrar que toda a mobilidade na cidade é feita de barco e as queixas dos habitantes começam a serem ouvidas.

Ficam as imagens de saudades para aqueles que tiveram o privilégio de as contemplar ao vivo. E disponíveis aos olhos dos que não tiveram essa oportunidade, aqui proponho as captei com a minha câmara fotográfica.