“Chega” dirige acusações ao edil de Santa Cruz, Filipe Sousa

A Distrital da Madeira do partido “Chega” veio acusar recentemente o edil santacruzense, Filipe Sousa, de ser “um perito de alto gabarito em marketing”. que conseguiria “até vender carne a um vegano”, possuindo “capacidades extraordinárias de enrolação”.
“Não é que o ano passado fez se o mínimo com o orçamento camarário por forma a poupar uns trocos valentes, e para quê??? (…) Para em ano de eleições fazer tudo e mais alguma coisa, que oportuno! Se isto não é fazer uma gestão orçamental a pensar nas eleições, não sabemos o que será”, acusa o “Chega”.
Ironizando, o partido refere que “sem dúvida é muito mais importante comprar radares do que ajudar os empresários de Santa Cruz, até porque, se os empresários não prevalecerem e tiverem de fechar portas, o Sr. Presidente já tem tudo pensado. Os funcionários vão para o desemprego, mas já têm cabazes alimentares assegurados. E se precisarem de ir ao médico com urgência, a câmara também ajuda. A malta de Santa Cruz não precisa de trabalho, precisa é de hortaliças e farinha para viverem felizes e conformados”, prossegue o sarcasmo do “Chega”.
“Não sejam hipócritas! Querem dissimular desgraças iminentes com manobras de distração”, acusa o partido. Filipe Sousa, diz esta estrutura política, “tem tanta consideração pelos empresários do concelho que administra que leva a frota automóvel da Câmara de Santa Cruz para uma oficina fora do concelho”. A manutenção da frota custará aos contribuintes no mínimo 195 mil euros por ano, em dois anos são 400 mil euros, adjudicado a um único fornecedor, aponta. “Será que este oportunidade não seria de grande importância para um empresário de Santa Cruz e incentivaria à contratação de mais postos de trabalho? Ou, repetindo, será que existe algum interesse oculto nesta escolha?”, questiona-se.