Câmara de Santa Cruz apoia consultas e realização de exames médicos

A Câmara Municipal de Santa Cruz aprovou, hoje, na sua reunião ordinária, a ratificação do despacho que vai criar o apoio financeiro para a realização de consultas e exames médicos.

O vereador Jaime Silva e o presidente Filipe Sousa explicaram a criação do actual apoio com  o cenário pandémico que tem originado um agravamento nas condições de acesso aos cuidados médicos, nomeadamente no que concerne não só às cirurgias, para as quais o Município já tem um programa de apoio, mas também às consultas de especialidade e realização de exames médicos para detecção precoce de tumores e outras enfermidades em várias especialidade, tais como Cardiologia, Gastroenterologia, Neurofisiologia, Ortopedia, Oftalmologia, Pneumologia e Urologia).

Assim, explicam, torna-se premente a atenção e a capacidade de resposta às necessidades dos munícipes nas áreas anteriormente mencionadas, pelo que foi decidido alargar a intervenção da autarquia a mais valências na área da saúde, com o apoio a consultas e a meios auxiliares de diagnóstico, refere uma nota da edilidade.

Isto porque existe um número elevado de munícipes que necessita de realizar exames complementares de diagnóstico e exames especiais, dado que verificaram a sua situação clínica agravada e/ou adiada para data incerta. “Nestas circunstâncias, torna-se muito difícil aos munícipes assumirem valores elevados com despesas de saúde, sobretudo aqueles que estão a passar por problemas acrescidos ao nível da precariedade laboral e outros ainda por se encontrarem desempregados”, sublinhou Jaime Silva.

“Deste modo, o Município de Santa Cruz, ciente desta dura realidade e com o intuito de colmatar as lacunas existentes no Serviço Regional de Saúde, o qual não tem respondido de forma satisfatória à procura de exames médicos por parte da população em geral, tendo os cidadãos que acorrer aos serviços privados de saúde,  reabrirá o seu programa direcionado à saúde dos seus munícipes na vertente das consultas e/ou exames de diagnóstico que poderão estar na base de uma eventual cirurgia e/ou de uma problemática clínica”, refere uma informação.

No que concerne aos critérios de selecção, será privilegiada a situação clínica e os rendimentos/situação socioeconómica resultantes da aplicação da matriz de classificação com as diferentes variáveis abaixo apresentada.

Filipe Sousa salientou que “Santa Cruz volta a ser pioneira com mais esta medida na área da saúde, que encontra a sua plena justificação numa política social que não pode ignorar as necessidades particulares dos munícipes, mas que também não pode ter uma atitude de fechar os olhos a uma conjuntura mais vasta, nomeadamente às áreas que cronicamente falham ao nível da política do Governo Regional”. E, neste sentido, “a verdade é que a área da saúde tem-se revelado bastante deficitária, sendo difícil de aceitar que problemas de saúde com décadas não tenham encontrado prioridade política naqueles que governam a Madeira há tantos anos quanto os anos que duram os problemas sem solução. “