Roberto Silva reage a declarações do PS-Porto Santo

“É caricato que o PS Porto Santo venha, hoje, a público, falar de união quando o candidato que apresenta, imposto, como é sabido, pelo Funchal e sem ouvir as bases, nem sequer é capaz de unir os socialistas” refere o presidente da Comissão Política do PSD/Porto Santo, Roberto Silva. As declarações foram proferidas numa reacção às críticas tecidas pela concelhia socialista local. A estes avisou Roberto Silva  “de que não é com manobras de diversão nem tampouco com ataques a uma execução orçamental que o PS desconhece e nem sequer teve interesse em perceber, que vai conseguir convencer os Porto-Santenses de que apresenta a melhor opção”.

É lamentável, afirma  o presidente da Comissão Política do PSD, que “o PS se julgue capaz de iludir a população do Porto Santo apresentando um candidato que nem é a alternativa interna que os socialistas pretendiam ou aspiravam”.

“Já era tempo de perceberem que não basta uma boa acção de cosmética para garantir a eleição, sobretudo de alguém que se revela totalmente alheado da realidade, que mente e que não é politicamente honesto nos argumentos que usa, limitando-se a atacar o que não conhece a mando daqueles que o escolheram como candidato e não do seu Partido, como um todo”, acusou.

Mais importante “do que inventar indecisões no seio do PSD”, salienta o social-democrata, “seria o PS concentrar-se na união dos seus militantes em torno do suposto candidato Miguel Brito, tanto mais quando se sabe que existe divisão e descontentamento quanto a esta escolha – essa sim declarada e inclusive evidente na última Assembleia Municipal, com cinco deputados socialistas a pedirem a sua substituição no cargo – e quando é certo que, tal como tornado público, há militantes socialistas que nem sequer lhe reconhecem capacidade para gerir uma autarquia”.