Decorrem obras de reabilitação no aqueduto do Ribeiro Seco

O presidente da Câmara Municipal do Funchal, Miguel Gouveia, e o vereador com o pelouro das Obras Públicas, Rúben Abreu, visitaram as obras de reabilitação nas estruturas de apoio do aqueduto do Ribeiro Seco, em São Martinho. Trata-se de uma intervenção de protecção e valorização do património histórico da cidade que, segundo a autarquia, representa um investimento municipal de 52 mil euros.

O edil refere: “Esta obra tem como objectivo principal restaurar o histórico aqueduto do Ribeiro Seco, centrando-se os trabalhos na recuperação e tratamento de toda a estrutura metálica de suporte da conduta, e também na reabilitação dos pilares de suporte em betão, o que inclui a retirada do betão degradado, tratamentos dos elementos em ferro e a aplicação de uma nova camada de betão.”

O aqueduto do Ribeiro Seco é constituído por cinco tramos, divididos em dois tramos extremos nascente/poente (com 9,0 e 5,7 m, respetivamente), dois tramos intermédios com 19,2m e um tramo central com 25,52 m. A estrutura metálica é composta por duas treliças de apoio ao colector, constituídas por vários tipos de perfis metálicos apoiados por estruturas de betão armado constituídas por quatro pilares com alturas que variam desde os 8,0 m até aos 14,0m.

Tendo em conta o interesse histórico do monumento, e a especificidade dos trabalhos a realizar, a CMF realizou uma avaliação prévia do estado do aqueduto que denotava alguns sinais do tempo, de forma a possibilitar uma intervenção criteriosa recorrendo a metodologias de intervenção apropriadas ao contexto cultural, arquitectónico e funcional do espaço, refere uma nota.

Miguel Gouveia entende que “a valorização do Aqueduto do Ribeiro Seco insere-se numa das áreas que são fundamentais para este Executivo, que é a valorização do património com valor histórico e emocional para a cidade do Funchal e para os funchalenses (…)”.