CDS Câmara de Lobos comenta proibição de captura do tubarão “gata”

O presidente da concelhia de Câmara de Lobos do CDS-PP veio hoje comentar uma notícia avançada por um matutino regional, de que o Conselho Europeu, por recomendação da Comissão Europeia, decidiu proibir a captura, nos mares da Madeira, do tubarão de profundidade, espécie popularmente conhecida por “Xara”, “Gata” ou “Bacalhau de Câmara de Lobos”.

O CDS Câmara de Lobos, o vereador da Câmara Municipal e todos os autarcas do partido com assento nos órgãos autárquicos do concelho, em face das notícias públicas conhecidas, congratulam-se com as diligências realizadas pelo Governo Regional e em particular pela actual Secretaria Regional de Mar e Pescas, no sentido de persuadir a União Europeia a atender ao carácter artesanal e exclusivamente acidental da captura do tubarão de profundidade, conhecido por “Xara” e “Gata”.

“É do senso comum que a referida espécie é capturada pelo aparelho que os pescadores utilizam para a pesca do peixe-espada-preto, não se tratando, portanto, de um aparelho dirigido ao tubarão, que acidentalmente morde o isco da espada ou a própria espada, chegando morto a bordo das embarcações. Nestas circunstâncias, o pescador nada pode fazer”, diz Amílcar Figueira, que afirma que a União Europeia, ao longo dos anos e apesar dos argumentos apresentados pela RAM, revelou-se sempre insensível ao carácter artesanal e acidental da captura desta espécie.

“Não é a primeira vez que a UE proíbe a captura da “Xara”. Já o tinha feito em 2015, tendo depois levantado a proibição em 2016, com uma condição: que a Região teria de apresentar um estudo sobre a espécie e os métodos de captura. Pelo conhecimento que o CDS tem da situação, esses estudos nunca foram realizados. Conforme se lê na reportagem do DN, a actual Secretaria Regional de Mar e Pescas, através da Direcção Regional do Mar, produziu um memorando com questões técnicas para procurar convencer as entidades europeias da bondade dos argumentos da Região. Bruxelas assim não entendeu”, constata o centrista.

“Das informações recolhidas pelo CDS Câmara de Lobos, o caminho que foi agora iniciado com a produção do Memorando – “Tubarões de Profundidade”, documento que foi enviado recentemente para a Direcção-Geral de Recursos Naturais, Segurança e Serviços Marítimos, que o fez chegar à Representação Portuguesa em Bruxelas, é para prosseguir até à conclusão dos estudos finais que foram exigidos em 2016 pela União Europeia. Como se vê, pelos factos, o problema não é de agora. Entende o CDS Câmara de Lobos que a população está cansada dos “treinadores de bancada”, que apesar de saberem que a sua equipa jogou mal, quando chega ao momento da “flash interview” concentram o foco do seu discurso para a outra equipa”, conclui a nota enviada às Redacções.