Adeptos das “Harley Davidson” ajudam Banco Alimentar

Os “Guardiões da Madeira Moto Clube” são um clube que integra os proprietários das motas da mítica marca Harley Davidson na Madeira, entusiastas que vivem o “espírito harlista” duma forma diferente, sem nunca descurar a sua preocupação social, salienta um comunicado de imprensa. No mesmo dá-se conta de uma iniciativa deste grupo junto do Banco Alimentar da Madeira, instituição que recebeu das mãos do dirigente deste agrupamento na passada sexta-feira, quase meia tonelada de alimentos, que se destinarão a apoiar as famílias mais carenciadas no Natal.

Os motociclistas, liderados por Carlos Ventura, que é também cônsul honorário da Bielorrússia, expressaram a sua preocupação social a Fátima Aveiro, presidente do Banco Alimentar na Madeira, que acolheu a comitiva reduzida que se deslocou aquando da entrega, dada a necessidade de impor algumas limitações ao número de participantes por causa do COVID-19.

Esta foi a primeira acção deste grupo junto do Banco Alimentar, entidade que poderá continuar a contar com a colaboração dos Guardiões da Madeira no futuro, uma vez que o motociclismo cultiva uma série de valores que devem ser postos em prática diariamente, entre os quais a solidariedade e a ajuda ao próximo, refere-se na nota de imprensa.

O clube, que entrou já no seu segundo ano de existência, foi fundado a 27 de Setembro de 2019 por Carlos Ventura e por outros dois entusiastas do motociclismo regional, tendo sido o primeiro clube na Madeira composto apenas por Harley Davidson, marca norte-americana que reúne já muitos modelos na nossa região, entre os quais motas muito raras como alguns modelos coleccionados pelo líder deste grupo, salienta-se. “Uma Harley é uma obra de arte em construção e aperfeiçoamento ao longo dos anos, sendo continuamente “customizada” e mantida ao gosto do harlista que nutre uma paixão incrível pelo seu motociclo”, explicam.

“Com o seu “som único”, que muitas vezes lembra o rugido dum leão, estes vistosos e opulentes veículos são ostentados pelos seus proprietários como autenticas relíquias que gostam de exibir pelas estradas da região, mas sempre atentos às necessidades que os mais desfavorecidos passam, mostrando assim a preocupação que o clube tem com a solidariedade social”, conclui a nota enviada às Redacções.