Câmara de Santa Cruz celebrou protocolo com o C.A.S.A. e a Criamar

De acordo com a Câmara Municipal de Santa Cruz, foi hoje assinado um protocolo entre a edilidade, a Junta de Freguesia do Caniço e as associações C.A.S.A. e CRIAMAR. O acto hoje formalizado permitirá a cedência, durante cinco anos, do edifício da antiga Junta de Freguesia àquelas duas associações, para que possam desenvolver o seu trabalho na localidade.

O C.A.S.A. – Centro de Apoio aos Sem Abrigo – pretende levar a cabo acções de solidariedade social, em particular dar apoio, alimentação e alojamento a pessoas desfavorecidas ou em situação de fragilidade social. No âmbito do  projecto ‘CASA Amiga Caniço’ a ajuda tem sido consubstanciada na distribuição diária de refeições confeccionadas às famílias em situação de vulnerabilidade, enquadramento que se agravou com o actual cenário pandémico, refere a Câmara.

Por sua vez, a CRIAMAR – Associação de Solidariedade Social para o Desenvolvimento e Apoio de Crianças e Jovens, vai desenvolver no futuro Pólo de Actividades do Caniço um espaço de trabalho ao serviço do ensino artístico, numa vertente multidisciplinar e de inclusão social que visará, igualmente, o desenvolvimento de actividades nas áreas das Artes Plásticas, Literatura, Botânica, Desporto, Formação Pessoal e Social.

Na assinatura do protocolo, o edil Filipe Sousa agradeceu às duas associações e lembrou que a autarquia estará sempre disponível para apoiar, lembrando, a propósito, os apoios ao movimento associativo, cujas candidaturas vão abrir em breve.  O autarca sublinhou, ainda, que as actividades das duas associações vão ao encontro daquela que é uma área que tem sido central na sua política autárquica, o social.

João Carlos Abreu realçou, por seu turno, que nestes tempos de pandemia é também importante alimentar a alma, e sobretudo fazer a diferença junto das gerações mais jovens, que serão o futuro. E será junto das crianças e jovens que a CRIAMAR continuará a trabalhar também no Caniço, prometeu.

Milton Teixeira, presidente da Junta, elogiou o trabalho do C.A.S.A, que já beneficia muitas famílias, e acrescentou que a CRIAMAR colmatará uma lacuna na ocupação de tempos livres, naquele que sempre foi um dos objectivos a que se propôs.

Por último, Sílvia Ferreira, do C.A.S.A, considerou a cedência daquele espaço uma mais valia para o trabalho que tem vindo a ser desenvolvido, e sublinhou que partilhar o espaço com a CRIAMAR é também uma forma de criar sinergias e ajudar crianças e jovens que integram os agregados familiares que já estão a ser apoiados.