PSD acusa CMF de continuar a “negar apoio a quem mais precisa”

Os vereadores do PSD lamentam, na sequência da reunião de Câmara de hoje, que a CMF “continue a negar apoio a quem mais precisa” e dizem que “voltam a ver chumbadas medidas de apoio aos Munícipes que perderam rendimentos em função da pandemia”. Queixam-se ainda de que, mais uma vez, o Executivo Municipal, “mesmo tendo verbas disponíveis, continue alheado da realidade e se mantenha irredutível em aprovar soluções que seriam benéficas para a cidade”.

 “É lamentável que este Executivo socialista teime em escudar-se em meros formalismos para não aceder ao que nós entendemos ser essencial e que passa por ajudar quem mais precisa, nesta altura e atendendo às dificuldades resultantes da pandemia, partindo da certeza de que tempos excecionais obrigam a soluções excecionais”, afirmou a vereadora do PSD Paula Menezes, à margem da reunião camarária que hoje se realizou.

Na mesma, os social-democratas viram chumbadas várias propostas relacionadas com o apoio directo aos Munícipes, tendentes a garantir novas respostas a necessidades já identificadas e ora agravadas pela COVID-19. Entre elas, o apoio suplementar extraordinário ao arrendamento e a suspensão excepcional e temporária das rendas aos inquilinos da SocioHabitaFunchal com perdas de rendimento acima de 30%.

Estes são, para os social-democratas, “chumbos” recorrentes que Paula Menezes entende à luz de uma estratégia que deixa evidente, para todos, a incapacidade deste Executivo acudir a quem mais precisa e fazer valer, em primeiro lugar, os interesses dos funchalenses, em detrimento de interesses pessoais e político-partidários.

Paula Menezes apontou também o dedo ao facto de a autarquia estar a reunir apenas quinzenalmente, há já algum tempo, vincando que há decisões que são urgentes a tomar em nome da população “que não se compadecem com estes tempos de espera”.