Clube Escola “O Liceu”, AD Camacha e Criamar distinguidos com a Bandeira da Ética na prática desportiva

A cerimónia de entrega da Bandeira da Ética, dinamizada pela Direção Regional de Desporto,  teve ontem lugar, pelas 12 horas, na Quinta Magnólia. Dos 36 clubes da RAM que se candidataram à Bandeira da Ética, apenas 3 foram aprovados pela Federação Portuguesa de Futebol: O Clube Escola O Liceu (CEOL), a AD Camacha e a “Criamar”.
A Bandeira da Ética é uma Bandeira promocional que almeja princípios de uma prática honesta e íntegra. O Projeto de ética desportiva surge no âmbito da certificação da FPF , critério 2, Estrutura Organizacional e Manual de Acolhimento de Boas Práticas Desportivas.
A coordenadora do CEOL, Ana Afonso.

O projeto de ética desportiva apresentado pelo CEO Liceu, através da coordenadora Ana Afonso,  pretende constituir uma base de apoio às normas de conduta do CEOL e promover os valores da transparência e da integridade desportiva em todas as suas atividades (treino ou competição ou lazer).

O objetivo principal do CEOL (entidade certificada com 2 estrelas) é ser um clube de referência na formação de jovens atletas, orientado pelos valores da ética, espírito de equipa, responsabilidade, solidariedade, rigor, competência, honestidade, empenho e competitividade.

A Ética Desportiva surge como uma estrutura moral que define alguns limites para o comportamento dos desportistas, de forma a preservar um sistema desportivo civilizado. É possível competir respeitando o adversário, reconhecendo o seu valor e competência, vendo-o como um oponente indispensável, sem o qual não existe competição.

Por conseguinte, é fundamental, para o Clube Escola “O Liceu” (CEOL), a criação de um código de ética desportiva, adequado à realidade desportiva da RAM e sobretudo aos praticantes e agentes desportivos da nossa escola de futebol e de natação, de modo a desenvolvermos uma prática desportiva honesta e íntegra.

Com este projeto, Ana Afonso explica que se procura “adotar uma conduta assente em princípios éticos de justiça e equidade, do respeito pela dignidade da pessoa humana que se concretiza por normas, deveres e atitudes de todos os agentes envolvidos no processo de formação desportiva. O nosso foco principal será a aplicação destes valores éticos nas crianças e jovens, para que estes criem quadros de referência que lhes permitam fazer escolhas responsáveis perante eventuais pressões criadas em torno do desporto e dos seus agentes”.

Ana Afonso agradeceu às entidades oficiais que contribuíram para o crescimento sustentável do CEOL, designadamente a Secretaria Regional de Educação, Direção Regional de Desporto, Câmara Municipal do Funchal, Associação da Madeira de Desporto para Todos e Junta de Freguesia de Santa Maria Maior.

 Face à atual pandemia que vivemos, depois de terem sido canceladas todas as atividades, treinos, competições e eventos desportivos, foram fundamentais os apoios e esforços desenvolvidos pela Direção Regional de Desporto e da Associação de Futebol da Madeira, através da elaboração dos Planos de Contingência para a Retoma das atividades desportivas, aprovadas pelo IASAÚDE da RAM, para que as crianças e jovens possam fazer aquilo que mais gostam – jogar futebol.

É de realçar ainda o apoio e colaboração dos parceiros mais diretos  do CEOL – ES Jaime Moniz, na cedência de instalações, e a Dragon Force Madeira, parceiro fundamental no desenvolvimento do processo de ensino/aprendizagem e formação dos jovens atletas e na execução de boas práticas desportivas.