RIR critica em comunicado “o estado a que chegaram as quintas e jardins” da Madeira

Foto DR (arquivo)

O partido RIR veio hoje dizer, em comunicado, que não aceita nem compreende “o estado a que chegaram as quintas e jardins da responsabilidade do Governo Regional da Madeira”.

De visita à Quinta Magnólia, verificou esta força política que existem ainda muitos espaços por ajardinar e mal cuidados e que “o investimento de milhões ali feito, com a substituição da piscina por campos de padel, ficou muito aquém do esperado, matando-se assim a identidade desta Quinta”.

Numa outra passagem pela Quinta do Imperador no Monte, “a situação repete-se, com um abandono mais visível, onde a falta de investimento nesta emblemática Quinta, faz chorar as pedras da calçada”.

Já no jardim Botânico da Madeira, mistura-se o bem cuidado com o mal cuidado, na avaliação do partido; existem ainda muitos vestígios dos incêndios do passado, havendo relatos que a falta de água é constante e que há muitas infraestruturas a precisar de obras.

“O Partido RIR, lamenta ainda que alguma comunicação social da nossa terra, venha fazendo trabalhos sobre estas quintas e jardins e não mostre  a real situação em que estas se encontram, passando uma imagem que não é verdadeira, o que em nada dignifica um órgão de comunicação social”, reza o comunicado. “Ainda recentemente a RTP fez um trabalho neste jardim, que no nosso entender, deveria mostrar o que ali está bem, mas também mostrar o que está mal e muito mal! Infelizmente não o fez, o que é lamentável”, queixa-se o partido.

O RIR convida ainda as associações de defesa dos animais, a visitar o espaço ali existente, que se dá pelo nome de “Louro Parque”, a ver se as aves ali existentes estão a ser tratadas, como mandam as regras de defesa animal.

O RIR salienta que a nossa ilha “é vendida a quem nos visita, pelas suas belas quintas e jardins e pela sua diversidade de flores, contudo quem nos governa tem esquecido que são estas as razões, que ainda vão mantendo algum turismo”.

Não menos crítico é o RIR nesta matéria, no que concerne também às responsabilidades das Câmaras Municipais. As mesmas, entende o partido, “pouco ou nada têm feito, deixando-se o desafio às mesmas, em mudarem de comportamento, sob pena do turismo escassear e surgir situações menos agradáveis, nomeadamente o aumento do desemprego, numa área que é fundamental para a maioria das famílias madeirenses, aquelas que directamente ou não, vivem do turismo”.