RIR queixa-se novamente das políticas socialistas no Porto da Cruz

O partido RIR veio lamentar mais uma vez as políticas “que o Partido Socialista tem levado a cabo na Freguesia do Porto da Cruz”.

Desta feita, o RIR queixa-se do encerramento de arruamentos na vila, alegadamente contra a vontade dos residentes, comerciantes e de quem a visita.

“Estamos a falar duma pequena localidade, onde os comerciantes esperam e desesperam, para manter os postos de trabalho, com o agravante da situação pandémica que estamos a passar”, refere Roberto Vieira, pelo RIR.

O partido RIR não compreende, pois, que estas decisões “sejam tomadas sem consultar a população, uma vez que o Presidente da Junta de Freguesia, não passa de um “pau mandado de Machico”, que vem fazendo da vila do Porto da Cruz, aquilo que Machico decide, muitas vezes com decisões, que mais parecem “favores a amigos”, ou pagamentos políticos”, acusa.

O RIR acusa ainda o PS-Machico de gozar com a oposição, quando esta dá voz ao descontentamento popular, “afirmando que nós oposição, estamos a perder o nosso tempo no Porto da Cruz, pois o povo irá continuar a lhes dar maioria absoluta, independentemente das politicas levadas a cabo naquela Vila”.

O RIR acusa o que edil de Machico e o presidente da Junta de Freguesia de serem responsáveis “por todas as medidas que têm lesado a população e os comerciantes desta localidade, tais como o encerramento dos Correios e do Banco local, do encerramento da Piscina Municipal, quase todo o ano e com mais gravidade, a transferência de quem morre para uma freguesia vizinha, tendo a  Freguesia do Porto da Cruz  dois cemitérios, o que é um caso inédito no nosso país”.