CMF vai deliberar voto de pesar pelo falecimento de Juvenal Garcês

A Câmara Municipal do Funchal anunciou que vai deliberar um voto de pesar pelo falecimento do actor e encenador madeirense Juvenal Garcês, enaltecendo as suas raízes enquanto actor na cidade e recordando com carinho as suas passagens pelo Teatro Municipal Baltazar Dias.

O Município recorda ainda o percurso do artista, enquanto figura incontornável do teatro nacional, prestando ainda à sua família e amigos as mais sinceras condolências.

A edilidade funchalense, através deste reconhecimento e homenagem, procura perpetuar a memória do legado artístico de Juvenal Garcês que orgulhosamente se descrevia como “um ilhéu”, costumando dizer: “Nasci com os pés no calhau e os olhos no mar”.

Juvenal Garcês nasceu a 31 de Maio de 1961 na Ribeira Brava e estreou-se no Grupo Experimental de Teatro do Funchal em 1977, numa encenação do “Auto da Barca do Inferno”, que teve lugar no Teatro Municipal Baltazar Dias.

Na década de 1980 rumou a Lisboa e, em 1990 fundou, com Mário Viegas, a Companhia Teatral do Chiado, dedicando-lhe grande parte da sua vida.

Em 1996, Juvenal Garcês assumiu a Direcção Artística da Companhia e tornou-se no seu encenador principal. A encenação de maior êxito terá sido “As obras completas de William Shakespeare em 97 minutos”, com mais de 600 apresentações e cerca de 30 mil espectadores, que esteve em cena cerca de uma década, e que o tornou no encenador português com a peça mais longa em palco, recorda a autarquia funchalense.