Três candidatos perfilam-se para suceder a José Carmo na Reitoria da Universidade da Madeira

Lá para Fevereiro ou Março de 2021 a Academia madeirense vai a votos para escolher um novo Reitor.

O actual Reitor, José Carmo não se recandidata e para já há 3 candidaturas na forja.

Uma encabeçada por Jesus Maria Sousa, professora catedrática do Departamento de Educação.

Outra encabeçada por Sílvio Fernandes, actual Vice-reitor.

E outra liderada por Eduardo Fermé, da Faculdade de Ciências Exactas e Engenharia, coordenador do Madeira N-Lincs (pólo da NOVA-LINCS na Universidade da Madeira).

Para já, o calendário eleitoral ainda não foi fixado pelo Conselho Geral da UMa, órgão encarregue do processo de escolha do novo reitor.

O Reitor da Universidade da Madeira é eleito pelo Conselho Geral nos termos do artigo 22.º dos Estatutos da Universidade.

Podem ser eleitos Reitores professores e investigadores da própria instituição ou de outras instituições, nacionais ou estrangeiras, de ensino universitário ou de investigação.

A eleição do Reitor decorre de acordo com o seguinte procedimento:
a) Aprovação do calendário eleitoral pelo Conselho Geral;
b) Anúncio público de abertura de candidatura ao cargo de Reitor da Universidade da Madeira, por parte do Presidente do Conselho Geral, a publicitar nacional e internacionamente, bem como, em português e inglês, no portal da Universidade, contendo:
i) Os prazos a observar no processo da candidatura;
ii) Documentação a apresentar;
c) Envio da documentação entregue pelos candidatos a todos os membros do Conselho Geral nos dois dias úteis seguintes ao fim do prazo das candidaturas;
d) Audição pública dos candidatos, a ocorrer nos quinze dias úteis subsequentes ao fim do prazo das candidaturas;
e) A eleição do Reitor pelo Conselho Geral.

As candidaturas a Reitor da Universidade da Madeira deverão ser formalizadas mediante requerimento dirigido ao Presidente do Conselho Geral da Universidade, podendo ser entregues pessoalmente no edifício da Universidade, sito no Colégio dos Jesuítas.

A audição pública dos candidatos é presidida e dirigida pelo Presidente do Conselho Geral, e decorre por ordem alfabética dos respectivos nomes.
2. A audição pública de cada candidato consta de:
a) Apresentação, por parte do candidato, do seu programa de acção, apresentação que não deverá exceder 30 minutos;
b) Um período, que não deverá exceder 30 minutos, dedicado a perguntas da audiência em geral;
c) Discussão entre os membros do Conselho Geral e o candidato, do programa de acção apresentado, discussão que não deverá exceder 45 minutos.
3. A audição pública terá lugar no auditório do Colégio dos Jesuítas.

A votação para a eleição do Reitor processa-se como se segue:
a) Cada uma das candidaturas é votada, individualmente, por voto secreto;
b) O Conselho Geral abrirá um novo período de candidaturas se:
i) nenhum dos candidatos obtiver um número de votos igual ou superior a um terço do número de membros do conselho geral, ou seja sete;
ii) existir um só candidato e este não obtiver um número de votos superior ou igual a metade mais um do número de membros do conselho geral, ou seja onze;
c) O candidato mais votado é eleito Reitor, desde que tenha obtido um número de votos superior ou igual a metade mais um do número de membros do conselho geral, ou seja, onze;
d) Caso nenhum dos candidatos satisfaça os requisitos mencionados na alínea anterior, são em seguida votados, por voto secreto, em alternativa, todos os candidatos que na votação referida na alínea a) tenham obtido um número de votos superior ou igual a um terço dos membros do conselho geral, ou seja sete, sendo eleito aquele que obtiver maior número de votos;
e) Em caso de empate na eleição mencionada na alínea anterior, serão votados, em alternativa, por voto secreto, apenas os candidatos empatados que obtiveram o maior número de votos, sendo eleito o mais votado;
f) Em caso de empate na votação anterior, esta é repetida até um máximo de duas vezes, após o que, se o empate persistir, o Conselho Geral abrirá um novo período de candidaturas.

O resultado das eleições do Reitor é enviado para homologação pelo Ministro da tutela, pelo Presidente do Conselho Geral, no dia útil seguinte ao da eleição.