HF esclarece que subsídio de agente único já está garantido aos motoristas

O Conselho de Administração da empresa Horários do Funchal, presidido por Alejandro Gonçalves reagiu ontem à greve dos morotistas.

Transcrevemos, na íntegra, a declaração/comunicado:

“Em primeiro lugar, em nome do Conselho de Administração dos Horários do Funchal, queria apresentar à população em geral e aos nossos clientes em particular, as nossas sinceras desculpas pelos transtornos causados ao longo do dia de hoje, contudo, a greve é um direito dos trabalhadores.

Também queremos lamentar e repudiar a campanha que foi feita para denegrir, não só a imagem dos motoristas desta casa, como de todos os funcionários. Ninguém o merece.

Foram estipulados serviços mínimos, que envolviam 124 motoristas e 35 carreiras, e até ao momento, 97 motoristas trabalharam e ainda estão a trabalhar, ou seja, a taxa de adesão ao serviço foi de 78%, não comparecendo 22.  A estes motoristas que compareceram e trabalharam o nosso reconhecimento e agradecimento.

Em segundo lugar, queremos agradecer a postura da generalidade dos colaboradores da empresa Companhia dos Carros de São Gonçalo, que cumpriram na integra todos os serviços que a empresa presta. A eles o nosso sincero bem-haja.

A empresa também contou, desde a primeira hora, com o apoio do Governo Regional, o qual muito agradecemos.

Por fim, convém esclarecer a comunicação social que, ao contrário do que está a ser veiculado, aquilo que os motoristas pretendem já fora proposto pela empresa, ou seja, foi dada a garantia de que o subsídio de agente único não seria retirado, houvesse ou não cobrança.

Contudo, convém também esclarecer que, ao contrário daquilo que dizem os sindicatos, a integração do subsídio no vencimento, acarretaria um custo anual de 500 mil euros, retirando ainda à empresa competitividade no mercado de turismo e de aluguer de veículos com condutor.

Em resumo, a Administração fez uma proposta clara, segundo a qual, no futuro, caso existissem situações legais que pudessem implicar a perda do pagamento do agente único, os motoristas continuariam a receber, sem que perdessem qualquer montante.

Pela nossa parte, o compromisso que deixamos é de continuar a trabalhar em prol dos funchalenses e dos madeirenses, bem como de todos os trabalhadores da HF, não privilegiando uns em detrimento de outros”.