PS-M apresenta voto de congratulação pelos 25 anos do “Grupo de Cordas da Fajã da Ovelha”

A deputada do Grupo Parlamentar do PS na Assembleia Regional, Sofia Canha apresentou um voto de congratulação pelos 25 anos da Associação Cultural e Recreativa “Grupo de Cordas da Fajã da Ovelha”.

O voto será também apresentado na Câmara Municipal da Calheta.

A ideia é  reconhecer “a importância da sua história no panorama regional, enquanto depositário de um vasto repertório de cultura musical popular e enaltecer todos os seus órgãos sociais, desde a sua fundação, direção artística e executantes pelos serviços à cultura regional”.

Constituída no dia 1 de abril de 1995, a Associação Cultural e Recreativa “Grupo de Cordas da Fajã da Ovelha”, tem a sua origem no final do século XIX, quando um emigrante, natural da Fajã da Ovelha, o Maestro Camacho, como foi conhecido, regressa à sua terra, começando a ensinar música aos jovens daquela freguesia.

A rotina daquela pacata localidade era quebrada por reuniões à noite nas mercearias ou em casas particulares para aprender as tradicionais melodias, enquanto as jovens, filhas do dono da casa, nas chamadas fiadas, trabalhavam o linho da terra, elaborando magníficas toalhas e outras peças de vestuário.

Progressivamente, o Maestro Camacho formou um grupo de jovens músicos que se juntavam nos vários sítios desta freguesia, sob diversos nomes como “Música do Bolo” no Sítio de São João ou, então, a “Música da Bolacha” no Sítio de São Lourenço. Em ocasiões festivas, estes jovens reuniam-se sob o nome de “Orquestra da Fajã da Ovelha” para tocar em arraiais populares desta freguesia e das localidades vizinhas. Esta tradição foi passando de pais para filhos e netos, conservando-se o Grupo até aos dias de hoje.

Foi com o objetivo de preservar os valores ancestrais dos seus antepassados que germinou, no início da década de 90 do século passado, o “Grupo de Cordas da Fajã da Ovelha”, dinamizado pelo Sr. Manuel Gomes Teixeira. Jaime Andrade foi convidado para a direção artística, passando a tocar e ensaiar os cordofones tradicionais, guitarra e acordeão, aos novos elementos, com idades compreendidas entre os 12 e os 40 anos.

Do Grupo de Cordas da Fajã da Ovelha, faziam parte da tocata, os rajões, o braguinha, os bandolins, o violino, as guitarras acústicas, por vezes a flauta transversal e os instrumentos de percussão como o bombo, a rebeca de cana, a pandeireta e o ferrinho. Na mesma década foi constituída a Associação Cultural e Recreativa “Grupo de Cordas da Fajã da Ovelha”, através de escritura pública no Cartório Notarial da Calheta, em 01 de abril de 1995.

Tem participado em diversas festas populares e oficiais, em todos os concelhos da Região e também já conta com duas internacionalizações, tendo realizado a primeira em junho de 2006, quando participou no Festival Internacional de Folclore em Ormesson, Paris – França. Nos seus espetáculos, o Grupo tem apresentado regularmente novos temas, que junta aos mais de 130 temas que integram o seu repertório.

O Grupo de Cordas da Fajã da Ovelha tem já cerca de treze dezenas de temas trabalhados com arranjos musicais próprios do grupo, continuando a reconstituir temas e materiais que constituem a nossa identidade, a cultura popular madeirense.