Albuquerque anuncia mais um caso de Covid-19 na RAM e pede isolamento social durante a Páscoa

O presidente do Governo Regional adiantou-se a Pedro Ramos e anunciou que a Madeira tem mais um caso de Covid-19, o que eleva o actual número a 48 doentes. Foi hoje, no decurso de uma conferência de imprensa na Quinta Vigia, na qual Miguel Albuquerque fez um apelo sentido a que os madeirenses prescindam das habituais comemorações da Páscoa, ou antes, as façam com recurso às novas tecnologias, falando com os familiares mas por meios electrónicos e não convivendo com eles presencialmente. A Páscoa, sublinhou, é um período em que é crucial, no âmbito do actual estado de emergência, permanecer em casa, dando continuidade às medidas de isolamento social e de quarentena. Tudo para impedir a progressão da contaminação da população madeirense com o novo coronavírus.

Embora admita que existem excepções, que são susceptíveis de procedimento criminal, o chefe do Executivo madeirense dirigiu à maioria da população palavras de agradecimento pelo cumprimento do isolamento social e distanciamento determinados pelas autoridades. Por outro lado, salientou o empenho e dedicação de todos os profissionais da saúde e da protecção civil ao longo de todo este processo.

“Estamos ainda no início do segundo período do estado de emergência decretado, e que, logo, é prematuro adiantar conclusões ou cenários. Seja como for, é possível afirmar que as medidas que o Governo da Região Autónoma da Madeira tomou com a devida antecipação, permitiram manter até agora sob controle a disseminação massiva desta pandemia na Região”, considerou Albuquerque, referindo que as medidas permitiram que os casos detectados, bem como os casos detectados em vigilância activa e em auto-vigilância, pudessem ser adequadamente acompanhados e tratados.

Elogiou, nesse sentido, a actuação “exemplar” das autoridades de saúde e das forças de segurança, contribuindo para o cumprimento escrupuloso das medidas implementadas. Os casos de contaminação detectados até agora, declarou, resultaram de casos importados e de transmissão local. Estes últimos, na esmagadora maioria, e numa nota negativa, deveram-se ao não cumprimento das normas de distanciamento social e isolamento recomendadas. Pelo que se torna ainda mais importante, enfatizou, manter esse isolamento nesta quadra pascal. “Todos queremos estar com os nossos entes queridos”, admitiu, mas recomendando que não se o faça presencialmente, para o bem de todos. Fale-se com toda a gente, portanto, mas por telefone, por skype, facebook, seja o que for menos sem ser em pessoa.

A situação epidemiológica na RAM será reavaliada no dia 14 de Abril, sendo provável que surjam entretanto novos casos, reconheceu. Por isso, a quarentena deverá continuar a ser observada pelos cidadãos com maior rigor.

“O período da Páscoa é essencial para a contenção da doença na Madeira. Por muito que nos custe a todos, devemos evitar de todas as formas as habituais reuniões e convívios familiares, para salvaguarda da segurança e da saúde de todos nós. É importante termos a noção que este vírus tem um efeito ainda mais devastador nos nossos idosos e naqueles que já têm outras doenças. Se queremos o melhor e amamos os nossos familiares, temos de fazer este esforço colectivo de não-contacto”, insistiu.

As medidas nos dias de Páscoa, e a restrição de circulação dentro e entre concelhos da RAM, “serão fortemente intensificadas, tendo em vista a defesa da vida dos nossos concidadãos”, referiu. “É um pequeno sacrifício que todos temos de fazer face a um bem maior, que é a vida”.