Submarinos são tema da quarta edição de livro, lançada hoje a bordo do Lobo Marinho

Fotos: Rui Marote

Um conjunto de personalidades militares e civis esteve ontem reunido a bordo do navio “Lobo Marinho” para o lançamento da quarta edição da obra “Os Submarinos na Marinha Portuguesa”, da autoria de Maurício de Oliveira e outros que entretanto também contribuíram para a sua actualização. As anteriores edições encontravam-se esgotados, e esta edição  foi agora actualizada, conforme foi dito na ocasião. A apresentação desta nova edição esteve a cargo de Brazão de Castro, antigo integrante dos governos de Alberto João Jardim, e de Dores Aresta, contra-almirante e comandante operacional da Madeira.

Brazão de Castro, na sua apresentação, traçou uma resenha histórica dos submarinhos na marinha nacional e considerou que o jornalista Maurício de Oliveira e os outros autores realizaram um verdadeiro compêndio do submarinismo português, e que narra múltiplos episódios interessantes. Desde 1910 até agora, Portugal teve 16 submarinos, referiu também Dores Aresta, que se confessou admirador desta história, considerou que a quarta edição traz “alma” a este livro e que, embora se tenha especializado em luta anti-submarina, sempre olhou para os submarinistas “com grande respeito”.

O almirante Álvares Gaspar, submarinista, não pôde infelizmente estar presente, ele que foi responsável pela revisão das últimas edições.

A primeira edição data de 1972. O livro foi sendo, entretanto, actualizado. Maurício de Oliveira foi fundador da “Revista da Marinha” e era um jornalista profundamente interessado nas coisas do mar.

O editor da obra, almirante Alexandre da Fonseca, que entretanto adquiriu a Revista da Marinha, considerou na ocasião que os submarinos são uma arma notável, mas que tem de ser operada com muita precaução. “Os novos submarinos representam um salto bem grande em relação aos anteriores”, salientou. E realçou que Portugal “sempre teve submarinos”, e desde tão cedo quanto 1910, quando foi dada a ordem para a construção da primeira destas embarcações.