“É tempo de deixarmos as divergências e os desentendimentos de parte”, foi esta a tónica pacificadora de José Prada no Congresso do PSD

José Prada levou no discurso todo o capital que o PSD-M tem dado ao partido a nível nacional: “”A Madeira é a única Região do país onde o PSD se mantém no poder. Há mais de 43 anos”.

O secretário geral do PSD-Madeira levou ao 38º Congresso Nacional do PSD uma intervenção de certo modo pacificadora das relações no interior das estruturas do partido, a que não estarão certamente alheios os episódios de alguma tensão vividos recentemente com as eleições internas nacionais e com o debate do Orçamento de Estado, sobretudo as divergências de votação na generalidade.

José Prada disse ser “tempo de deixarmos as divergências e os desentendimentos de parte. De assumirmos as nossas diferenças de opinião como algo de salutar ao Partido, garantindo, todavia, que existam pontos em comum que falem mais alto e que todos os militantes, estejam aqui no continente, na Madeira ou nos Açores, se sintam envolvidos no projeto. Nos Açores, ainda com maior força este ano. Sem os nossos militantes, nada somos. É tempo de reconhecer as diferentes estruturas, aqui e nas Regiões Autónomas. De respeitar e valorizar o seu trabalho a favor do todo e não em nome individual, assegurando que todos caminhemos no mesmo rumo”.

O dirigente partidário regional considera que “é tempo do PSD, aqui no continente e nos Açores, voltar a assumir-se enquanto alternativa de governação aos socialistas que, tanto no no poder central quanto local, tem falhado e mentido mas, acima de tudo, penalizado os cidadãos. É tempo de valorizar o Partido que somos. De realçar as nossas ideias. De apoiar e estar ao lado, sempre e em todas as circunstâncias, dos nossos militantes e simpatizantes.  Sempre ao lado da nossa população.

Foi também nesta intervenção que José Prada olhou para a plateia “laranja” para apontar objetivos para 2021, um ano de autárquicas que o PSD em geral, mas o PSD-M em particular, apostam forte. Como diz José Prada, o futuro será “no rumo certo”,  trazendo ao seu discurso o slogan que serviu de base à campanha regional.

“É tempo de lutar para vencer as Eleições de 2021. Já estamos a trabalhar para isso”, disse o secretário geral do PSD-M, que levou a Viana do Castelo todo o capital que o partido tem para mostrar ao PSD nacional: “A Madeira é a única Região do país onde o PSD se mantém no poder. Há mais de 43 anos. Como disse o nosso Presidente, só no ano passado, demos três vitórias ao nosso Partido, nas condições mais difíceis de que há memória. Os nossos militantes deram tudo.  Acreditaram. Deixaram claro que a Madeira está e estará, sempre, em primeiro lugar. Contra quem for. Seja qual for a circunstância. Juntos conseguimos e vamos continuar a conseguir, em 2021”.