Albuquerque defende um PSD alternativa para o País mas admite “combate árduo”

Foi uma mensagem de união e mobilização aquela que o líder do PSD-Madeira levou ao Congresso do partido, tendo em vista os próximos desafios e, em especial, às eleições autárquicas de 2021. Miguel Albuquerque deixou claro, esta tarde, em Viana do Castelo, que “o PSD tem de assumir-se como alternativa política ao atual estado a que Portugal chegou. “É isso que os portugueses esperam de nós”, disse, admitindo que o combate que se segue será árduo mas possível de ultrapassar com sucesso, exigindo a “determinação, a audácia e a mobilização de todos”.

Apelando à unidade do Partido – o primeiro passo para conseguir vencer as eleições e devolver, à população portuguesa, sistematicamente enganada, aquilo a que tem direito, num país estagnado a todos os níveis graças à governação do Partido Socialista – Albuquerque sublinhou, ainda, a necessidade do PSD apresentar um projeto claro de alternativa aos governos das esquerdas em Portugal. “Um Projeto que seja claro e perceptível para toda a população”, argumentou, lembrando que é dessa clareza que depende a recuperação da confiança de um eleitorado que merece muito mais e melhor.

Albuquerque que recordou, ainda, as três vitórias eleitorais alcançadas, pelo PSD/Madeira, em 2019, reforçando, a esse nível, o facto do Partido manter-se na governação há mais de 43 anos.

“Porque é que continuamos a merecer a confiança da nossa população? É simples, nós nunca pusemos em causa aquilo que é a nossa identidade. Somos um Partido que sabe o que é, sabe onde vai e que nunca cedeu às esquerdas nos seus valores”, disse, garantindo que a Direção nacional pode contar com o PSD/Madeira, numa luta que é para levar a sério e num combate declarado às esquerdas e ao Partido Socialista.