Tabelas regionais de retenção na fonte “refletem desagravamento fiscal”, refere o Governo Regional

Tal como o Funchal Notícias já tinha divulgado, as novas tabelas de retenção na fonte sobre rendimentos do trabalho dependente e pensões auferidas por titulares residentes na Região, para vigorarem durante o ano 2020, foram aprovadas e publicadas. Diz a vice presidência que essas novas tabelas “refletem o continuo desagravamento fiscal”.

Para o Governo Regional, que através da tutela de Pedro Calado emitiu uma nota sobre o assunto, o novo quadro proporcionam ainda, a “adequação à taxa de inflação e a atualização automática do valor do mínimo de existência, o progressivo esforço de ajustamento entre as retenções na fonte e o valor de imposto a reter decorrente das alterações aprovadas em matéria de Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares, nomeadamente, a atualização dos rendimentos coletáveis em 0.3%”.
O valor dos salários ou pensões a partir do qual se começa a ser tributado em sede de IRS sobe de 654 para 659 euros mensais, segundo as novas tabelas de retenção na fonte.
De acordo com a nova tabela de retenção na fonte de IRS para 2020, um trabalhador solteiro, por exemplo, com um rendimento bruto mensal de 685 euros passa, com as novas tabelas, a reter 0,1%, o que significa, face a 2019 em que ficava retido 3,9%, que vai reter menos 26 euros todos os meses (364 euros no final do ano).
Por seu turno, um trabalhador casado, dois titulares, com dois filhos e um rendimento bruto mensal de 2.090 euros, vê a sua taxa de retenção reduzir de 20% para 18,9%, pagando menos de imposto todos os meses 23,00 euros (322 euros no final do ano).
Um pensionista casado, único titular, com um rendimento bruto mensal de 765 euros, verá a sua taxa de retenção na fonte passar dos 2,4 % para os 0,7% pelo que descontará menos 13 euros a partir de agora (menos 182 euros no conjunto do ano).