Associação Sindical da Segurança Privada denuncia alegada violação da liberdade sindical

A Associação Sindical da Segurança Privada (ASSP) emitiu um comunicado onde diz ter recebido uma mensagem –através de um dos delegados sindicais– proveniente de um suposto supervisor de uma empresa de Segurança Privada, para não “incomodar” os Trabalhadores durante o seu horário de trabalho.

Segundo a ASSP, tal situação aconteceu após a visita do delegado sindical da R.A.M. ter visitado um posto de trabalho, dando a conhecer o sindicato.

“Posto esta visita, recebeu então uma mensagem escrita de intimidação, dando a entender que o referido Delegado Sindical, não podia esta a “incomodar” os trabalhadores no horário de trabalho”, relata.

​Ora, quer isto dar a entender que estaremos perante uma tentativa de censura e da ausência da Liberdade Sindical, que a Constituição da Republica Portuguesa, prevê, no artigo 55.º da referida CRP.

“A ASSP irá continuar o seu trabalho de acção sindical sendo que, caso continuem as tentativas de “silenciar”, boicotar ou proibir a liberdade Sindical, a ASSP agirá de acordo com os termos da lei. A Liberdade Sindical não pode ser de modo algum restringida, e tudo faremos pelos direitos dos trabalhadores e contra a censura que nos querem impor”, revela o comunicado assinado pelo presidente da direção da ASSP, Rui Brito da Silva.