Miguel Gouveia apresentou projecto de controlo e monitorização de fugas de água

O edil funchalense, Miguel Silva Gouveia, apresentou hoje no Salão Nobre da CMF a primeira fase do projecto de Controlo e Monitorização de Fugas de Água associado ao sistema de telegestão existente no concelho do Funchal, e que contou com a presença do Eng.º Rui Silva Santos. Trata-se de” um investimento inovador que visa colmatar as elevadas perdas de água nas redes do concelho, nomeadamente nas zonas piloto deste projecto, que são as freguesias de São Martinho, Santo António, São Roque e São Pedro”, refere uma nota.

Miguel Gouveia referiu que “o histórico das perdas de água no concelho do Funchal está, desde sempre, acima dos 60%, o que significa que apesar do investimento que tem vindo a ser realizado na substituição das redes, não temos atingido resultados perceptíveis. Em termos de comparação, em Portugal continental, a média das perdas de água ronda os 30%, isto demonstra bem a importância de tomar soluções adequadas para resolver um problema estrutural de todas as redes do Funchal e da Madeira”, diz.

O presente projecto visa assim implementar uma solução hidráulica técnica e economicamente vantajosa que, ao conseguir um bom e correto funcionamento hidráulico, simultaneamente colocará as perdas num nível muito mais baixo, tornando-se comportável  e libertando recursos económicos e ambientais. Assim sendo, será possível gerir correctamente as pressões na rede, substituir condutas e ramais com elevadas perdas, sectorizar a rede e centralizar e tratar toda a informação disponibilizada pelos sensores de pressão e pelos medidores de caudal de forma mais célere e detectando precocemente problemas na rede de água, refere a CMF.

“A Câmara Municipal do Funchal está a trabalhar afincadamente nas redes de abastecimento de água no concelho temos no terreno um investimento de 3,7 milhões de euros em substituição de redes antigas em fibrocimento, investimos na requalificação de reservatórios, e agora damos este passo com a implementação deste projecto que será uma solução para o presente, mas também decisiva para gerações futuras, colmatando assim um problema grave no abastecimento de água, seja para consumo da população, seja para regadio”.

O autarca relembrou que durante o processo de implantação do projecto, que começa já no próximo mês de Fevereiro, “ocorrerão diversas contingências que afectarão o abastecimento às populações nas zonas próximas à intervenção. Estes problemas, cuja inevitabilidade se reconhece, terão tratamento prioritário por parte dos nossos serviços técnicos para minimizar os inconvenientes que provocam. Esta é uma obra fulcral para o Funchal e agradecemos desde já a colaboração de toda a comunidade durante este processo”.

 

Este é um projeto que é cofinanciado pelo POSEUR e corresponde a um investimento de 2,3 M€, sendo que 1,7 M€ provirão de fundos camarários. O Presidente congratulou-se pelo cofinanciamento da 2ª fase deste projeto ter sido “aprovado esta semana, o que permite estender as medidas preconizadas na primeira fase ao restante concelho”. O valor desta segunda fase ronda os 10,3 M€, sendo que desses 5,6 M€ serão assegurados por fundos próprios da Câmara Municipal do Funchal.