MPT enjeita qualquer ligação ao chumbo do orçamento da CMF

O MPT diz que o voto contra é da exclusiva responsabilidade de Roberto Vieira.

O MPT Madeira emitiu uma nota de imprensa esclarecendo que, no seguimento de algumas notícias que referem a ligação do MPT Madeira ao chumbo do Orçamento da Câmara Municipal do Funchal, o partido esclarece que Roberto Vieira foi eleito deputado municipal do Funchal em representação do MPT nas eleições autárquicas de 1 de Outubro de 2017; no entanto, em 23 de Junho de 2019 Roberto Vieira anunciou a sua saída e abandono do projecto político do MPT Madeira.

Consequentemente, e já em comunicado datado de 2 de Agosto de 2019, o MPT dava conta da retirada de toda e qualquer confiança política ao deputado referido. Isto, até porque as suas atitudes “são manifestamente contrárias aos mais elementares valores da seriedade e aos pilares ideológicos humanistas do partido que representava no órgão autárquico de fiscalização do Executivo Municipal do Funchal”.

Daí que, “não obstante este deputado se manter a exercer as funções para que foi eleito, não representa de modo algum o MPT, sendo as suas acções e decisões da sua própria responsabilidade e não dependentes ou consequentes das ideais, opiniões e/ ou directrizes do partido”. Pelo que, pela sua parte, o MPT lamenta que Roberto Vieira tenha votado contra a aprovação do Orçamento da Câmara Municipal do Funchal, “atitude que lesa os interesses e hipoteca o futuro dos seus munícipes e da sua qualidade de vida”.

O partido “não se revê no sentido de voto tomado, pelo que toda e qualquer notícia relacionando a votação do Orçamento da CMF com o voto negativo do MPT deverá única e exclusivamente relacioná-la com o voto negativo de quem o exerceu, neste caso e a título individual, do Senhor Deputado Roberto Vieira”, conclui o comunicado.

A Comissão Reinstaladora do MPT na Madeira,