Bloco vai fazer “reflexão aprofundada durante os próximos meses” sobre os resultados das regionais

Bloco de esquerda 19 de outubro 2019O Bloco de Esquerda reuniu hoje a Mesa Nacional, o seu órgão máximo entre convenções nacionais, para análise dos resultados eleitorais, sendo que relativamente à Madeira e com a representação regional a cargo de Paulino Ascenção, Luisa Santos, Rui Ferrao e Egídio Fernandes, foi dito que os próximos meses são para refletir, sem no entanto quantificar o período de reflexão sobre o facto do BE ter perdido os deputados no Parlamento Madeirense e, já nas nacionais, ter perdido o representante na Assembleia da República

A resolução aprovada assume que “o Bloco de Esquerda não alcançou os seus objetivos nas eleições regionais da Madeira” e refere que “num cenário de forte polarização entre PS e PSD, que tornou mais difícil ao Bloco Madeira passar a sua mensagem, o Bloco de Esquerda não só perdeu a representação parlamentar na Assembleia Legislativa Regional da Madeira como a direita continua a governar a região, num parlamento com menos representantes da esquerda (Bloco perde os seus 2 deputados, o PCP perde um e mantém apenas um eleito)”.

Diz o texto que “muito embora, e pela primeira vez desde o 25 de abril, o PSD Madeira não tenha conseguido alcançar a maioria absoluta, o CDS (que perdeu votos e mandatos), garantiu-lhe os 3 deputados necessários para que continue a governar com maioria parlamentar”.

E assim, face a estes cenários, aponta o Bloco que “estes resultados merecem uma reflexão aprofundada, a decorrer nos próximos meses, sendo certo que o Bloco de Esquerda na Madeira manterá a sua luta de sempre e será oposição ao governo PSD/CDS da Madeira.”