CDU assinala o dia de entrada em vigor “de uma das piores legislações laborais dos últimos anos”

CDU 1 de outubro“Hoje é um dia negro para os trabalhadores, porque entra em vigor uma das piores legislações laborais dos últimos anos”. Foi assim que a candidata da CDU Herlanda Amado começou a sua ação de campanha visando as eleições legislativas nacionais de 6 de outubro.

A cabeça de lista pelo círculo da Madeira diz que “o alargamento do período experimental para 6 meses, a generalização dos contratos de curta duração ou a legalização da precariedade, com a possibilidade das empresas poderem manter a precariedade desde de que paguem a “bula”, são alguns dos muitos exemplos com que os trabalhadores se irão confrontar a partir de hoje”.

“Nós propusemos muitas alterações a esta legislação laboral que defendiam os direitos dos trabalhadores e que foram chumbadas por PS com o apoio do PSD e CDS, entre elas, o fim da possibilidade do patronato liquidar a contratação colectiva livremente assinada com os sindicatos, 35 horas para todos os trabalhadores do público e privado, fim do banco de horas, reposição dos 25 dias de férias ou ainda a que a cada posto de trabalho permanente, corresponda um contrato efectivo. Estas são apenas algumas das medidas apresentadas e todas elas chumbadas por PS, PSD e CDS”.

Herlanda Amado lembra que “no dia 6 de Outubro, os trabalhadores e o povo português vão ser chamados a eleger deputados para a Assembleia da República, e o desafio que está colocado é o de contribuir com o seu voto na CDU, para a defesa do que se conquistou e prosseguir o caminho de reposição e conquistas de direitos. Votar no PS é andar para trás nos direitos conquistados e se o PS estiver de mãos livres, não terá qualquer problema em retirar muito do que agora foi conquistado. Os trabalhadores e o povo não estão condenados às políticas de exploração e empobrecimento que o PS de mãos dadas com o PSD e CDS querem impor. A eleição de deputados da CDU é a garantia mais sólida de luta em defesa dos direitos dos trabalhadores e só com o voto e reforço da CDU será possível avançar.”