PSD-M responde ao PS e afirma que sempre votou em Lisboa a favor da RAM

A deputada social-democrata Sara Madruga da Costa declarou hoje que, “ao contrário do que querem fazer crer, a herança do PS/M na Assembleia da República é bem conhecida”, pois este partido reclama ter sido “o único a trabalhar em prol da Região, a exigir soluções e a colocar, sempre, em primeiro lugar, os interesses da nossa terra, votando, inclusive, contra o nosso partido a nível nacional, algo que os socialistas madeirenses nunca fizeram”.

As declarações foram proferidas no âmbito da candidatura do PSD/M às Eleições Legislativas nacionais, numa reacção a declarações ontem proferidas na apresentação da Comissão de Honra da candidatura do PS/M a este acto eleitoral.

“Ao contrário de nós, deputados social-democratas, os deputados do PS/M votaram várias vezes em Lisboa contra a Madeira e, ao longo dos últimos quatro anos, são inúmeros os exemplos que comprovam a falta de sensibilidade e de compromisso deste partido para com os madeirenses e porto-Santenses”, disse Sara Madruga, afirmando que os parlamentares socialistas “não só não lutaram pelas melhores propostas para a Madeira como chumbaram todas as que foram apresentadas, em São Bento, que preconizavam soluções mais benéficas para a nossa Região”.

Entre outros exemplos, Sara Madruga da Costa recordou o voto contra a aprovação de um regime jurídico de mobilidade aérea mais favorável para os residentes na Madeira e o voto contra a redução da taxa de juro do empréstimo da dívida, assim como o caso da agricultura familiar e da lei de recursos hídricos para a legalização das casas do Paul do Mar: “Os deputados socialistas não hesitaram em chumbar, no parlamento nacional, as propostas apresentadas pelo PSD/M a esse respeito, as quais continham taxas contributivas mais baixas para os agricultores e soluções mais benéficas para a Região”.

Já relativamente ao novo Hospital da Madeira, Sara Madruga da Costa afirmou que os madeirenses estão perfeitamente cientes dos avanços e recuos de António Costa a esse respeito e do adiamento da concretização do financiamento de 50% para a infraestrutura e sabem, também, que os deputados do PS/M nem foram capazes de fazer com que António Costa cumprisse com esta e com tantas outras promessas assumidas (…).