“Perguntem ao doutor Miguel Albuquerque se acha bem meter gaiolas no Mónaco”, questiona Gil Canha sobre as estruturas no mar da Calheta

PTP campanha 18 de setembroA candidatura do Partido Trabalhista Português (PTP) às eleições legislativas da Madeira apelidou hoje de “gaiolas” as estruturas colocadas no mar na zona da Calheta para a prática de aquacultura e defendeu a sua remoção.

Gil Canha referiu que a ilha da Madeira é a única região da Europa que não tem planos de ordenamento da orla costeira, apesar das promessas de Miguel Albuquerque. “A União Europeia deu indicações para que se iniciassem os planos, que foram ignorados, iniciando assim a pirataria na costa da ilha da Madeira”, explicou.
Um dos maiores pontos negativos da ausência destes planos são as “gaiolas em pleno mar”. Gil Canha realçou que a Madeira é uma “ilha que vive do turismo e dos recursos naturais e da sua enorme paisagem não podendo ser essa destruida com a industrialização do mar”.
“Imaginem um turista sentado na varanda a olhar para uma estrutura industrial no meio do mar. Ele quer ver o por do sol, quer observar a linda paisagem da Madeira e depara-se com estas gaiolas absurdas que o Dr. Miguel Albuquerque meteu aqui no Arco da Calheta, na Ponta de Sol e na Ribeira brava”, disse Gil Canha.

Regionais 2019

“Perguntem ao doutor Miguel Albuquerque se acha bem meter gaiolas no Mónaco, na costa Amalfitana (Itália) ou noutras zonas famosas de outros países. A Madeira não pode ser poluída com a industrialização do mar”, afirmou Gil Canha.
Para finalizar, referiu que há zonas mais “escondidas” que não criam tanto impacto visual negativo nos Madeirenses e visitantes à ilha, onde poderia ser feito a aquacultura..