Discurso direto – A ressuscitação do Único Importante

PAULINO aSCENÇÃO
Paulino Ascenção cabeça de lista do BE nas Regionais de 22 de setembro.

POR PAULINO ASCENÇÃO

 

A campanha eleitoral para as regionais fica marcada pela lógica do Único Importante. Foi ressuscitado o UI original, qual gestor de insolvências para resgatar o PSD do caminho do desastre, no que foi ajudado pelo PS, que de opositor tornou-se admirador e integrou um bloco central para atribuir a medalha de mérito da Autonomia.

Merecedores de homenagem e de toda a consideração são todos os que o UI, deposto e reposto, perseguiu e enxovalhou, esses sim tiveram coragem, ousaram bater-se pela Liberdade e Democracia e foram castigados pelo autocrata narcisista, apodado por outro PS de “Bokassa da Madeira”.

O PSD ressuscitou o UI, as suas políticas gastas e o discurso bafiento do medo da esquerda e do inimigo externo, mas já não é a mesma coisa… Um zero de ideias e de propostas para o futuro. Apenas salvar os empregos dos governantes e os privilégios dos lóbis instalados. O CDS faz o papel de equipa B do PSD.

O PS também investe tudo no UI, no seu próprio, sorridente. Quanto ao partido oculta-se envergonhado de si mesmo. O marketing, a imagem as qualidades do candidato os elogios de quem lhe é próximo… E as propostas concretas de mudança, a coragem para atacar os privilégios dos interesses instalados?

Regionais 2019

O Bloco de Esquerda é o único a apontar os problemas fundamentais e a indicar a mudança necessária para a Madeira. As concessões de favor, como os portos, as vias rápidas ou a Zona Franca, servem para alimentar fortunas milionárias e explicam a pobreza o desemprego que são a nossa realidade. A mudança que conta passa por aqui, devolver à gestão pública o que é de todos e acabar com os privilégios. A par disso defender a saúde e a escola públicas e gratuitas, a habitação e os transportes a preços justos: a Madeira para todos.