Mudança às vezes é mais do mesmo, avisa Edgar Silva da CDU

CDU 13de setembroA CDU esteve em campanha eleitoral nesta sexta feira no Centro Histórico do Funchal onde Edgar Silva, cabeça de lista nas próximas Eleições Regionais, afirmou que «não basta dizer-se a mudança, para que, por si só, inclua sentido positivo. Por vezes, como a vida o tem demonstrado, há alegadas mudanças que prolongam o mesmo – são a ideologia da mesmidade, ou seja, mais do mesmo – como também, por vezes, implicam retrocessos.

Por exemplo, as alterações ao Código de Trabalho, agora aprovadas pelo PS, com o apoio do PSD e do CDS, foram mudanças negativas, implicaram regressão social, aumentarão a precariedade e agravarão a exploração dos trabalhadores. Outro exemplo de mudanças negativas. No Município do Funchal, depois da substituição do PSD pelo PS ainda se agravaram mais os números de famílias em lista de espera para uma habitação social. Passaram das 3381 famílias em lista de espera, para as 3706 famílias a aguardar por uma habitação digna.

Em conclusão, mudar por mudar de pouco nos serve. Mudar não é um bem em si mesmo. Importa saber em que sentido, com que orientação e qual o conteúdo distintivo da transformação.

Nós perguntamos: de que nos serve que alguém se diga a mudança se se rodeia de todos os tiques do velho regime? De que nos serve alguém se anunciar como a mudança, se mas áreas e sectores fundamentais se faz representar com aqueles que são, e sempre foram, os gurus dos senhorios do regime?»

Regionais 2019

No âmbito da sua intervenção política disse ainda Edgar Silva que «é possível um novo rumo para a Autonomia. Mas, para que a Autonomia passe a estar ao serviço dos trabalhadores e do povo é preciso um novo projecto político, novos compromissos, novas orientações. A CDU é a garantia de que esse novo rumo será possível!»