“Estou aqui ao serviço dos madeirenses e porto-santenses, não ao serviço do primeiro-ministro”, disse Albuquerque no comício da Ribeira Brava

PSD comicioRIbBravaC 3 de setembro“Eu, enquanto Presidente do Governo Regional, estou aqui ao serviço dos madeirenses e porto-santenses e não ao serviço do primeiro-ministro, porque o que ele não terá, nesta terra, são empregados ao serviço do centralismo de Lisboa”. A afirmação é de Miguel Albuquerque que, esta noite, subiu ao palco, mais uma vez e, neste caso, na Ribeira Brava, para apelar ao voto naquele que disse ser “o único partido, a única força que pode preservar a autonomia e o desenvolvimento futuro.”

Referindo-se à recente visita do Primeiro-Ministro e secretário-geral do PS à Madeira, o líder dos social-democratas reiterou ser “preciso muita lata para apelar ao voto no partido e na pessoa que mais prejudicou a Madeira, nos últimos quatros anos”, refere uma nota do gabinete de comunicação do PSD-Madeira.

Um primeiro-ministro “que não cumpriu, que não resolveu o que tinha para resolver, que mentiu e que não paga o que deve” e que ainda tem a ousadia de afirmar que “a mobilidade dos Madeirenses dentro do território nacional é um modelo ruinoso para a República”. Se considera que o modelo da mobilidade – que nunca soube resolver –, é ruinoso, então o que dizer do Metro de Lisboa e da CP, que custam à República 3 mil milhões e 2 mil milhões respetivamente, questionou, exigindo uma resposta de António Costa.

“Ao fim de 43 anos continuamos no bom caminho. Sabemos quem somos, o que queremos e para onde vamos e aqui, nesta terra, António Costa não manda nem vai mandar e ele vai perceber isso quando, a 22 de setembro, for derrotado, pela segunda vez”, disse.

Os Autonomistas, os Social-democratas que construíram o desenvolvimento e que sabem que a Autonomia e a liberdade do nosso povo não se defende à moda socialista, mas, sim, com coragem, com capacidade de luta e com a cara levantada em prol do nosso povo”, sabem que entregar o poder à Lisboa “seria a nossa desgraça”.

“Seria regressar ao passado e destruir tudo aquilo que foi conquistado”, insistiu o Presidente do PSD/M, garantindo que, apesar de todas as dificuldades colocadas por este governo de esquerdas à Madeira, durante os últimos quatro anos, conseguiu governar em conformidade com aquilo que eram os objetivos e as promessas assumidas com a população.

Lembrando que o seu Executivo devolveu os rendimentos às famílias, reduziu os passes sociais, reduziu em 40% o preço da creches e vai reduzir no pré-escolar, quando ganhar as Eleições, assim como reforçou o apoio aos idosos e aos cidadãos mais carenciados, Albuquerque recordou, também, “que não foi o PS que esteve ao lado dos trabalhadores”, indo mais longe ao afirmar que foi precisamente o Governo da Republica que mais insultou os professores e enfermeiros e que, inclusive, na onda de hipocrisia que tao bem os caracterizam, estão a tentar mandar, agora, nas organizações sindicais.

Elogiando a candidata e lembrando os investimentos realizados no concelho, entre os quais o da Escola Secundária, Albuquerque adiantou, ainda, que a estrada da Apresentação será aberta no fim-de-semana.

Regionais 2019

Agradecendo a confiança e o apoio de todos os Ribeira-bravenses ao “único partido que tem sempre defendido a nossa Região Autónoma”, Clara Tiago fez questão de sublinhar, na sua intervenção, o diálogo saudável que tem caraterizado as relações entre o Governo Regional e a autarquia da Ribeira Brava, em benefício da população local, garantindo que “todos os compromissos do Executivo com a Ribeira Brava foram cumpridos ou estão em curso” e que, mesmo depois das eleições autárquicas, o PSD/M nunca voltou as costas ao Município nem muito menos aos seus residentes.
Uma afirmação que a Social-democrata reforçou ao elencar as diferentes obras concretizadas, pelo Governo Regional e também através de contratos-programa com a autarquia, nestes últimos quatro anos, no seu concelho, num investimento “superior aos 25 milhões de euros”.