João Rodrigues vai tentar travessia Madeira Porto Santo em Windfoil

No próximo dia 3 de Setembro, pelas 15:00, na Galeria Infoart, na Secretaria Regional do Turismo, terá lugar uma conferência de imprensa para apresentar a Travessia Madeira –Porto Santo – Madeira em windfoil.

Com o patrocínio da Rota dos Cetáceos e Santander, englobado nas comemorações dos 600 anos do Porto Santo e Madeira, a travessia será realizada pelo velejador Olímpico João Rodrigues, com o apoio logístico do seu clube, o Centro Treino Mar.

A mesma será efectivada quando se reunirem as condições razoáveis para esta nova modalidade de windsurf foil, ou seja, vento entre os 10 e 20 nós de nordeste, com ondulação inferior a 2 metros.

Há séculos que madeirenses e portosantenses estão ligados pelo mar da travessa, numa distância de 25 milhas entre o Caniçal e a Ilha Dourada. Aquele mar presenciou milhares de viagens entre as duas ilhas, em veleiros nos primeiros séculos e mais recentemente, em barcos mais rápidos a motor.

Estes fizeram muito do que é o Porto Santo hoje em dia, transportando gentes, carga e histórias. Na verdade, uma boa parte da história do arquipélago da Madeira.

Mas aquelas águas, nem sempre calmas, também viram algumas aventuras. Pequenos veleiros, kayaks, até nadadores, percorreram as tais milhas. E pranchas de windsurf! Os primeiros aventureiros, há décadas atrás e, mais recentemente, já em 2004, dois outros velejadores ligaram as duas ilhas, partindo do Porto Santo.

A última evolução tecnológica aplicada ao windsurf, com a introdução dos hidrofoils, revolucionou outra vez esta modalidade. As velocidades que se conseguem alcançar com muito pouco vento, são extraordinárias, podendo alcançar 20 nós à bolina, ou mais de 22 à popa, mas com apenas 12 nós de vento.

Aproveitando este facto, entendeu-se que era hora de voltar a repetir a travessia entre a Madeira e o Porto Santo, mas desta feita, nos dois sentidos, de uma só vez e partindo da Madeira.

Assim, a partir do dia 4 de Setembro, começa o período de espera para esta pequena aventura, que pretende ligar as duas ilhas nos dois sentidos, tal como há séculos a esta parte, tantos madeirense e portosantenses fizeram e continuam a fazer.