Saxofonista Melissa Aldana impressiona na última noite do Funchal Jazz 2019

Fotos: Rui Marote

Coube a Melissa Aldana, uma saxofonista oriunda do Chile, abrir a derradeira noite do Funchal Jazz 2019. Foi, em 2013, a primeira mulher e o primeiro músico sul-americano a conquistar o 1º lugar na Thelonious Monk Institute Jazz Saxophone Competition, na mesma edição em que Tivon Pennicott, o saxofonista de Gregory Porter, se classificou em 2º lugar, conforme salienta a organização deste evento musical no Funchal.

“Daquela vitória resultou a assinatura de um contrato com a Concord Records e a edição, em 2014, daquele que era já o seu terceiro álbum. Nesse ano, foi eleita “New Artist” pelos críticos da JazzTimes e, no ano seguinte, “Rising Star Tenor Saxophone” pelos críticos da DownBeat. O álbum seguinte foi publicado em 2016, tendo o seu quinto disco – “Visions” – sido publicado a 24 de Maio deste ano, integrando-se a sua actuação no Funchal Jazz na digressão europeia de apresentação e divulgação do novo álbum”. Melissa Aldana apresentou-se no sax tenor, acompanhada pelo guitarrista Lage Lund, pelo contrabaixista John Ginsburg e pelo baterista Kush Abadey.

Melissa Aldana mostra na sua música influências de Sonny Rollins. A música corre-lhe nas veias: o pai, Marcos Aldana é ele próprio um saxofonista de renome, capaz de ombrear em competições musicais com Joshua Redman ou Chris Potter – caso verificado em 1991, quando foi semi-finalista na Thelonious Monk International Jazz, Competition, que a sua filha mais tarde ganharia.