Ribeira Seca prepara visita do Bispo, Martins Júnior diz que “será Abril renovado”

bispo assina
“Homenagem em linha recta ao Prelado da Diocese, o Bispo Nuno  Brás, que estará presente no templo da Ribeira Seca. Há mais de 50 anos que um vigilante máximo da diocese e Pai da Cristandade madeirense abandonou o Povo Católico daquela localidade”, escreveu Martins Júnior no seu blogue “Senso & Consenso”.
Ribeira Seca B
A Igreja da Ribeira Seca já está pronta para receber o Bispo do Funchal.

Ribeira Seca ARibeira Seca CÉ já amanhã, domingo, 14 de julho, pelas 17 horas, que o Bispo do Funchal vai à Ribeira Seca, a assinalar a Festa do Santíssimo Sacramento. A Igreja está ornamentada e “vestiu-se” de flores e de cores para este momento histórico, mais um naquela que é a paróquia do padre Martins. No adro, ultimam-se os pormenores, o palco está montado, as barracas já em construção e tudo estará pronto para receber a festa e D. Nuno Brás. Uma festa que ganha contornos diferentes, agora que Martins Júnior ganhou novo “fôlego” aos 81 anos de idade.

A visita do Bispo acontece um contexto extremamente relevante e que ocorre pouco tempo depois de D. Nuno Brás ter revogado a suspensão a divinis de Martins Júnior há 42 anos, uma decisão que veio colocar o recém chegado Bispo num patamar de reconhecimento como há muito não se observara. Reconhecimento do próprio núcleo da Ribeira Seca, mas também um pouco por toda a Região, que sentia o prolongamento da decisão longínqua de D. Francisco Santana, Bispo à época, como um ato em contraciclo com este tempo e sobretudo este novo tempo.

No seu blogue Senso & Consenso, o padre Martins Júnior escreveu, como sempre, um texto envolvendo uma mensagem forte, com contéudo, para lembrar abril e para falar do presente, mas também do passado, recordando que “há mais de 50 anos que um vigilante máximo da diocese e Pai da Cristandade madeirense abandonou o Povo Católico daquela localidade”.

Pela relevância do texto enquanto documento num enquadramento de grande festa na Ribeira Seca, deixamos aqui o texto que Martins Júnior escreveu no seu blogue Senso & Consenso com o título “Sol de Abril neste Fim de Semana!”

“Como o Amor, também o “25 de Abril” não tem tempo nem medida!

Há-os de vários tons e variegadas cores. Há-os de tronos e nações. Há-os até  de templos e religiões. Os pesos da balança falham e nem a métrica tridimensional consegue abarcar a amplitude do “25 de Abril”, seja ele  intimista ou colectivo.  Porque o sabor da libertação tem todos os perfumes e paladares que o mundo é capaz de conter.

O Povo de um modesto rincão suburbano da ilha verá uma réstia desse sol aprilino, a partir de 12 de Julho. Será Festa! Em homenagem à Terra-Mãe e que ela produz,.
o Pão e ao Vinho, matéria prima da Eucaristia. Homenagem em linha recta ao Prelado da Diocese, o Bispo Nuno  Brás, que estará presente no templo da Ribeira Seca. Há mais de 50 anos que um vigilante máximo da diocese e Pai da Cristandade madeirense abandonou o Povo Católico daquela localidade.

Por isso, é Festa!. Primeiro, a Festa do Perdão na sexta-feira, dia 12, sem a qual não poderá haver nenhuma outra. No sábado 13, a partir das 20,30H, a vigília festiva e no domingo, a partir das 17H, a visita do Prelado Diocese, com Eucaristia e Cortejo Processional, seguida de animação lúdico-cultural, preenchida pelas canções originais do reportório do Grupo de Cantares da Ribeira Seca, Machico.

Será Abril renovado para quem o proclamou, o Bispo da diocese e, no mesmo plano, para quem o recebeu, o Povo da Ribeira Seca que aguentou firme e resoluto um ostracismo que durou mais que os quarenta anos que o cativeiro do Egipto.

“Seja bem-vindo quem vier por bem”!

Recorde-se que Martins Júnior nasceu em 1938, foi ordenado padre em 15 de agosto de 1962 e celebrou nesse dia a sua primeira missa. A 22 de Junho de 1969 foi nomeado pároco da Ribeira Seca. Teve uma grande intervenção política, foi presidente da Câmara e deputado na Assembleia Regional.