JPP defende extinção da “Madeira Parques” e classifica como “covil dos esbanjadores de dinheiros públicos”

JPP iniciativa 5 de julhoO JPP deu a conhecer hoje que desenvolveu uma iniciativa naquilo que considerou ser o “covil dos esbanjadores dos dinheiros públicos” referindo-se à “Madeira Parques, uma empresa que o JPP pretende que seja extinta.”

Segundo o deputado Élvio Sousa, ao lado de Filipe Sousa, presidente da Câmara de Santa Cruz eleito pelo JPP, a justificação para esta posição é “em primeiro lugar, porque esbanjam dinheiros públicos. Segundo, porque a Madeira Parques, o Governo Regional e o senhor Vice-Presidente do Governo têm sido cúmplices no roubo de terrenos que pertencem ao Município de Santa Cruz, porque os terrenos estão registados em nome do Município.”

Élvio Sousa diz que “estes terrenos pertencem à população e aos seus legítimos representantes que têm que salvaguardar a gestão dos seus bens. A Câmara Municipal de Santa Cruz pretendia, em hasta pública, proceder à venda destes terrenos para fazer face às dívidas e ao esbanjamento de dinheiro que o PSD fez no município durante muitos anos.”

O JPP vem esclarecer que “estes terrenos pertencem, e estão registados e salvaguardados em nome do Município de Santa Cruz e “vamos propor, já em setembro, duas situações, além da extinção da Madeira Parques, que não serve o interesse público, vamos propor uma auditoria administrativa e financeira à empresa e uma Comissão de Inquérito Parlamentar, no sentido de apurar as responsabilidades financeiras e administrativas destas empresas.”

Em conclusão, Élvio Sousa refere “uma alegada cumplicidade entre a Madeira Parques e o atual Vice-Presidente do Governo Regional no concerne a um alegado contrato de promessa de compra e venda de um bem que não pertence nem à Madeira Parques, nem ao Governo Regional, mas que pertence, sim, ao Povo de Santa Cruz.”