Albuquerque entrega incentivos, realça crescimento da Madeira e diz que não vê “saída para este País”

Albuquerque incentivos 24 de maio
Miguel Albuquerque diz que “neste momento estamos ligados a um submarino que não anda. Portugal está como um pião,  a girar sobre si próprio”.

Miguel Albuquerque presidiu, hoje, nos jardins da Quinta das Cruzes, à cerimónia de pagamentos de apoios projetos aprovados e concedidos às empresas, ao abrigo dos sistemas de incentivos. Foram 2,42 milhões de euros relativos a 92 projetos empresariais no âmbito do apoio ao funcionamento e cinco de apoio ao investimento.
Desde 2016 foram pagos 76,3 milhões de euros em apoios às empresas da Região, contemplando um total de 2.992 empresas e a criação de 1.201 postos de trabalho.
O presidente do Governo aproveitou o momento para relevar o papel da Europa para o desenvolvimento da Madeira. “A nossa economia está a crescer há 69 meses, são boas notícias, atendendo a que também reduzimos a dívida regional em 30% e a taxa de desemprego mais baixa desde há 12 anos”.
Miguel Albuquerque diz que “estamos no bom caminho e temos que manter esta estratégia. Neste momento estamos ligados a um submarino que não anda. Portugal está como um pião,  a girar sobre si próprio. Não vejo saída para este País e o essencial é que a economia portuguesa não crescer e o rendimento das pessoas não aumenta. Tem um acréscimo de dívida pública e uma taxa fiscal que é a mais alta de sempre. Nunca mais se sai disto”.
Ao contrário, diz, “na Madeira temos crescimento, reduzimos os impostos e vamos reduzir”, mas alerta que “temos condicionantes de âmbito nacional que continuam a amarrar o nosso desenvolvimento. E temos que nos livrar desses constrangimentos”.