MPT continua a apontar o dedo à situação dos Bombeiros Sapadores do Funchal

 

O MPT emitiu uma nota na qual considera que os Bombeirtos Sapadores do Funchal têm razões mais que suficientes para convocar uma greve, pois estão em causa os direitos que lhes são devidos, pela nova categoria de “Sapadores. Para este partido, a CMF está a faltar à verdade a estes profissionais, pois “os salários continuam no mesmo, as condições de trabalho são precárias e nada se faz para reverter esta situação”.

O Partido da Terra diz que os Bombeiros Sapadores do Funchal “têm a fama, mas não o proveito”, de o serem. “Temos um caso tão absurdo, como de caricato, que é o caso dos novos elementos que ingressaram nesta corporação de bombeiros, que fizeram 6 meses da sua formação com os Bombeiros Sapadores de Lisboa, e apesar dos mesmos conhecimentos adquiridos e da mesma formação que receberam, em relação aos da capital, vêm para o Funchal auferir quase metade do que os seus camaradas de Lisboa em igualdade de circunstâncias, pelo simples facto de no Funchal serem Sapadores só de nome”.

Critica-se ainda o facto de a CMF não ter ainda diligenciado no sentido de providenciar estes profissionais com equipamento individual adequado.

“Entre outros casos flagrantes, existiram casos de ambulâncias paradas no quartel, por estarem avariadas, com pneus carecas e ainda sem seguro automóvel, pondo em causa a segurança dos funchalenses”, acusa o dirigente Roberto Vieira. Por outro lado, esta força política afirma ter tido a informação de que os Bombeiros Sapadores do Funchal não têm qualquer tipo de seguro de acidentes pessoais, o que reputa de “grave”.

“Neste Regimento de Bombeiros do Funchal está instalado um clima de terror, e os bombeiros tão com receio de se manifestar, com medo de sofrerem represálias por parte desta autarquia que tem agido com “mão de ferro”, a quem faz frente (…)”, diz um comunicado à imprensa.