Secretária-geral do PSD/Açores quer renovada colaboração entre os dois arquipélagos

Fotos: Rui Marote

A secretária-geral do PSD/Açores, Sabrina Furtado, foi hoje a primeira a discursar nos trabalhos do Congresso do PSD-M da parte da tarde, precedendo a intervenção do líder nacional social-democrata, Rui Rio. Na ocasião, defendeu o incremento da colaboração das duas regiões autónomas, isto no âmbito de uma desejada revisão constitucional, e não só: deixou a disponibilidade do PSD-Açores para colaborar nas “batalhas e desafios” comuns a ambos os arquipélagos. É tempo, alegou, “de novas políticas, atitudes e mentalidades”. Refira-se, a respeito, que historicamente a colaboração entre os arquipélagos vizinhos não tem, de facto, sido muita, não só nos aspectos político-partidários, mas em muitos outros, inclusive o cultural. Mas Sabrina Furtado, ao falar na sessão de encerramento do XVII Congresso Regional do PSD/M, no Centro de Congressos do Casino da Madeira, mostrou-se desejosa de esbater essas distâncias e de estabelecer pontes, referindo que a Autonomia é um desiderato unificador.

“Temos tudo a ganhar com uma estratégia comum às duas regiões autónomas, nos mais diversos palcos da actuação política e abordando as diferentes políticas públicas”, frisou, defendendo a maior capacidade negocial de ambos os arquipélagos numa atitude conjunta, perante a União Europeia e as comunidades de emigrantes.

Por outro lado, defendeu, o “estatuto da ultraperiferia deverá fortalecido, como instrumento de diferenciação positiva ao serviço das duas regiões autónomas, de modo a atenuar as assimetrias e dificuldades existentes entre os territórios insulares e continentais”. Assim como também defende o reforço no combate à descontinuidade territorial, “de forma a mitigar as desigualdades resultantes da dispersão territorial geradoras de fenómenos de dupla e tripla insularidade”.

Sabrina Furtado deixou ainda um desafio para a melhoria dos indicadores sociais em ambas das regiões. “Urge melhorar o nosso desempenho comparativamente às médias nacionais”, havendo a necessidade de trabalhar em conjunto para delinear uma estratégia comum relativa à coesão social, adaptada às especificidades de cada uma das regiões.

Considerando que terminou já o ciclo de investimento nas grandes obras, a secretária-geral do PSD/Açores destacou que é chegada a hora de alterar o modelo de desenvolvimento para um novo ciclo baseado no crescimento económico e no desenvolvimento social. Criar emprego é uma prioridade.