Novo secretário-geral do PSD-M: “Tudo farei para corresponder à confiança que depositaram em mim”

O novo Secretário-Geral do PSD/M, José Prada afirmou hoje que os social-democratas devem ter “orgulho” na obra que fizeram e “convicção” naquela que têm por fazer.

“Deixemos para outros a demagogia, os truques da baixa política e as querelas que nada ajudam a nossa população”, disse José Prada, no primeiro discurso enquanto Secretário-Geral e após a tomada de posse dos novos elementos do Secretariado.

José Prada desafiou os social-democratas a se concentrarem “na resolução dos problemas da Madeira”, encontrando na “luta unida”, notória pela grande participação no Congresso, a “maior inspiração” para o Partido seguir em frente.

“Não contem comigo para deixar que, na Madeira, suceda o que aconteceu nos Açores. Não contem comigo para aceitar os exemplos que surgem de fora, quando nós é que somos os exemplo. Nem muito menos me peçam para deixar que repliquem, aqui, a bandalheira desgraçada que vai no país”.

José Prada saudou o Presidente da Comissão Política Regional, “graças a quem disse assumir hoje, “honrado e motivado, a função de Secretário-Geral. Saudação que estendeu a todos os membros eleitos do Partido e ao seu antecessor, Rui Abreu, “que nos últimos anos, e depois do companheiro Jaime Ramos , soube organizar e preparar o Partido para ganhar, desde logo, as últimas regionais”.

“Tudo farei para corresponder à confiança que depositaram em mim e na minha equipa, na qual conto com a Rubina, o Rui Nunes, o Antero e o Rui Coelho”, salientou, acrescentando que esta é “uma oportunidade” que lhe foi dada e que pretende, diariamente, cumprir com a ajuda de todos.

O novo Secretário-Geral disse sair da sua zona de conforto porque acredita no PSD. “Porque sei que todos, nesta sala, também acreditam e estão disponíveis para lutar”, afirmou.

Lutar para “garantir a vitória do PSD e da Madeira” e “para continuar a escrever a história deste Partido”, a “história desta terra que, juntos, soubemos construir, lado a lado do povo madeirense”. Uma “população que merece respeito e que espera, mais do que nunca, o nosso melhor, o nosso empenho, dedicação e competência, a nossa seriedade e, acima de tudo, o nosso compromisso”.

“Uma população tem de ser ouvida, nas 51 freguesia, nos 11 concelhos” e que “olha e tem de continuar a olhar para cada um de nós como a única solução”, pois foi também esse o “povo que sempre acreditou em nós e que não podemos defraudar”.

José Prada sublinhou que, “em nome do que for”, os social-democratas nunca devem deixar de acreditar em si próprios, esperando de cada um “trabalho, solidariedade e frontalidade”. “Espero a pujança que nos caracteriza, a lealdade que nos faz fortes, a união que nos distingue, a confiança que nos torna maiores”.

E garantiu: “De mim, contam com tudo isto e muito mais. Estou disponível para, com todos, honrar o passado e trabalhar pelo futuro. Estou motivado para ouvir, resolver e lutar. Mas também para denunciar. É de cada um de nós que depende a vitória nas batalhas que temos pela frente. Todos terão uma importante missão a cumprir nestes próximos meses. Unidos e envolvidos, no mesmo projeto, em nome do mesmo desígnio. Em nome do interesse comum e da defesa dos direitos fundamentais dos madeirenses e porto-santenses.”