JPP vai divulgar às 20 horas o contrato de concessão da linha marítima para Porto Santo

Élvio Sousa, líder parlamentar do partido Juntos pelo Povo diz que  “este governo PSD só se lembra do Porto Santo nos meses de verão e com subsídio de mobilidade”.

O Juntos pelo Povo (JPP) considera, através do líder parlamentar, que “a paragem para manutenção do navio, prevista no contrato de concessão, não é benéfica para o Porto Santo”. Élvio Soisa afirma mesmo que “o Governo Regional é cúmplice do contrato de concessão que prejudica a população e a economia do Porto Santo”. Élvio Sousa lembra que, no seu programa, o Governo PSD diz colocar o Porto Santo como prioridade da governação, mas o que se verifica é que “este governo PSD só se lembra do Porto Santo nos meses de verão e com subsídio de mobilidade”.

Numa ação política levada a efeito na Rua Dr. Fernão de Ornelas, JPP defendeu a importância de rever esta situação “para que a economia, as empresas e os cidadãos do Porto Santo não sejam prejudicados”. Em nome da transparência, será publicado – hoje pelas 20h, no site http://juntospelopovo.pt – o contrato de concessão na íntegra.

O deputado salienta, por exemplo, a cláusula 19 do contrato: “Prevê que a Porto Santo Line fica obrigada a tratar de uma embarcação no mercado internacional para substituir o navio. Mas também diz que os custos relacionados com essa substituição devem ser suportados pelo Governo Regional”.

Élvio Sousa adiantou que o grupo parlamentar vai promover iniciativas em defesa dos porto-santenses. “Estamos a preparar uma proposta para que o Governo reveja esta situação, colocando os interesses do Porto Santo em primeiro lugar. O JPP vai promover também um debate potestativo na Assembleia para discutir a situação com o Governo Regional e outro debate mais alargado, juntando diversos intervenientes em defesa dos interesses do Porto Santo”, explicou.

O assunto da mobilidade e do contrato de concessão de serviço público de transporte regular de passageiros e mercadorias entre a Madeira e o Porto Santo foi abordado esta manhã, durante uma ação de contacto com a população, na rua Fernão de Ornelas, no Funchal.