Sara Madalena questionou retirada de inertes na Ponta do Sol, Célia reconheceu ter havido algum “entusiasmo” por parte da empresa

sara
Sara Madalena apela para que “o valor da fatura não seja paga pela população aquando de alguma intempérie.

A vereadora do CDS-PP na Ponta do Sol questionou Célia Pessegueiro, na última reunião de Câmara, sobre a extração de inertes no concelho. Sabe que é uma empreitada da responsabilidade do Governo, mas revela que “existiram acordos entre a dita empresa e a Edilidade no sentido da retirada da pedra “viva” consequência da derrocada que ocorreu a oeste da praia da Vila da Ponta do Sol”.

Segundo nota dos centristas, enviada à comunicação social, sublinha o partido que “não só a vereadora pelo CDS na Ponta do Sol, como vários Munícipes, verificaram que não só as ditas “pedras vivas” estavam a ser retiradas como o próprio calhau que compõe a praia”.

Em resposta, diz o CDS-PP, foi esclarecido que existiu, de facto, um “entusiasmo” por parte da empresa na retirada de inertes até para fazer face aos custos da mesma. Segundo foi transmitido à vereadora, o pagamento da alegada limpeza é o produto dali retirado.

O CDS Ponta do Sol, na pessoa da sua vereadora, Sara Madalena, apela para que “o valor da fatura não seja paga pela população aquando de alguma intempérie e que o “entusiasmo” que foi referido pela Sra Presidente não se agrave, avisando que estará atenta ao decurso das manobras que ainda prosseguem.”.

Na mesma reunião de câmara foi ainda, garantido que os muros que ladeiam a estrada entre as escadas do estacionamento atrás da Câmara e a Avenida 1º de Maio (Avenida do Mar) serão, conforme proposta do CDS alvo de intervenção para colocação de varandins de segurança, dado a altura insuficiente dos mesmos e ainda, aprovado, por unanimidade, voto de pesar pelo falecimento do Reverendo Padre João Rodrigues Macedo, falecido em finais de outubro passado.