Paróquia de São Martinho festeja padroeiro

São MartinhoSílvio Mendes

A 11 de novembro celebra-se a festa de São Martinho. Na paróquia madeirense da qual aquele santo é o padroeiro, a missa que assinala aquela festa principiará às 18 horas do próximo domingo, dia 11. No final decorrerá a procissão.
No sábado, dia 10, a missa da vigília começará pelas 19 horas.
O arraial terá muita animação e actuações da Banda Filarmónica de Santo António nos dois dias e dos cantores Ruben Aguiar no sábado e João Vinagre com o conjunto Impacto na noite do domingo dia 11 de Novembro.Martinho de Tours, nasceu, no ano de de 316 ,na antiga cidade de Savaria na Panónia, uma província na fronteira do Império Romano, na atual Hungria. Filho de um comandante romano, cresceu na região de Pavia, em Itália, no seio de uma família pagã. Criado para seguir a carreira militar, foi convocado para o exército romano quando tinha quinze anos, viajando por todo o Império Romano do Ocidente.
Apesar de ter recebido uma educação pagã, foi em adolescente que Martinho descobriu o Cristianismo. Mas foi só mais tarde, em 356, depois de ter abandonado o exército que foi batizado.
De volta à Gália, foi perto de Poitiers que fundou o mais antigo mosteiro conhecido na Europa, na região de Ligugé. Conhecido pelos seus milagres, o santo atraía multidões. Foi ordenado bispo de Tours em 371 e fundou o mosteiro de Marmoutier, na margem do rio Loire, onde vivia na reclusão.
Morreu a 8 de novembro de 397 em Candes e foi sepultado a 11 de novembro em Tours.
Na vida de São Martinho há um episódio que continua a ser recordado quando num dia frio e chuvoso de inverno, Martinho seguia montado a cavalo e encontrou um mendigo. Vendo o pedinte a tremer de frio e sem nada que lhe pudesse dar, pegou na espada e cortou o manto ao meio, cobrindo-o com uma das partes. Mais à frente, voltou a encontrar outro mendigo, com quem partilhou a outra metade da capa. Sem nada que o protegesse do frio, Martinho continuou viagem. Diz a lenda que, nesse momento, as nuvens negras desapareceram e o sol surgiu. O bom tempo prolongou-se por três dias.
Na noite seguinte, Cristo apareceu a Martinho num sonho. Usando o manto do mendigo, voltou-se para a multidão de anjos que o acompanhavam e disse em voz alta: “Martinho, ainda catecúmeno (que não foi batizado), cobriu-me com esta veste”.

A igreja de São Martinho, no Funchal, celebrou em 2018 os cem anos a sua dedicação.

O arraial que ali decorre nos dias 10 e 11 de novembro é vivido sempre com muita animação.
O bacalhau assado, o vinho novo e o bolo do caco fazem parte integrante desta grande festa.