Marcelo “sensível” ao problema das viagens dos estudantes mas limitado nos seus poderes

No espaço dedicado a perguntas e respostas, uma aluna do 10.º ano do Liceu confrontou Marcelo Rebelo de Sousa com o problema das ligações aéreas e marítimas com o continente português.

O presidente da República respondeu que “percebe”, “é sensível”, tem conhecimento directo da situação e, no que depender dele, vai fazer tudo para que o problema seja ultrapassado.

No entanto, disse que o presidente da República não tem poderes Executivos pois Portugal não é um país presidencialista.

A outra pergunta respondeu que não se deve seguir cursos que estão na moda mas seguir a nossas vocação, “o que gostamos”.

A outra aluna que lhe perguntou se recomenda seguir a política, Marcelo Rebelo de Sousa disse que a “moda” dos políticos anti-carreira política “tem riscos”.

Interpelado sobre os avanços e recuos do novo Hospital da Madeira, o chefe de Estado lembrou, de novo, a limitação de poderes mas disse esperar que o problema se resolva porque se trata de uma necessidade.

Marcelo foi também interrogado sobre a situação da Venezuela e sobre a dificuldade por que passam os emigrantes mas, também aqui, foi parco em palavras porque o presidente da República não deve interferir nas políticas de outros Estados soberanos.