SESARAM esclarece que medicamento em falta “já está disponível”, é inovador e a prescrição “tem vindo a aumentar”

HOSPITALNa sequência da informação veiculada há pouco pelo Funchal Notícias, dando conta do desespero de um doente oncológico sobre a falta de um medicamento na Farmácia do Hospital, o que desde o dia 22 de setembro obrigou ao adiamento do tratamento indicado pelo seu médico assistente, o Serviço de Saúde da Região Autónoma da Madeira (SESARAM) esclarece que “o medicamento NIVOLUMAB já está disponível na Farmácia do Hospital Dr. Nélio Mendonça”, justificando que a falta do mesmo ficou a dever-se “a questões relacionadas com a tramitação processual”, que contribuíram para que estivesse, “durante alguns dias, indisponível na farmácia hospitalar”.

O Serviço de Saúde da Região diz mesmo que “os doentes já foram contactados para dar seguimento ao plano terapêutico programado”.

Explica ainda o SESARAM que “o NIVOLUMAB é um medicamento inovador para o tratamento oncológico e a sua prescrição está dependente de Autorização Excecional Prévia dada pelo INFARMED. Este medicamento foi introduzido no SESARAM no ano 2017, totalizando uma despesa anual de 78.548 €”.

Esclarece, também, que “a prescrição deste medicamento inovador tem vindo a aumentar e só este ano, até à data, o valor gasto ascende os 250,850 €. A introdução de medicamentos inovadores no SESARAM tem vindo a crescer, sendo que no ano 2015 o custo com medicamentos inovadores representava cerca de 8,5% e no ano de 2018 já atinge cerca de 29,39%”.

O SESARAM relembra que dispõe de um Gabinete de Apoio aos Utentes (localizado nas instalações do Hospital Dr. Nélio Mendonça), pelo que, “em situações de dúvidas ou esclarecimentos, o utente e/ou os seus  familiares devem dirigir-se a este gabinete, onde será prestado o apoio necessário”.