MPT diz que votará contra orçamento da CMF se esta não investir mais nas zonas altas

O MPT Madeira anunciou que votará contra o orçamento da Câmara Municipal do Funchal se esta não contemplar o alargamento de vários becos e veredas nas zonas altas do Funchal. Após uma reunião mantida com o vice-presidente da CMF, Miguel Silva Gouveia, o dirigente do MPT, Roberto Vieira, disse ter deixado claro que “o orçamento tem que ser pensado para as pessoas”.

“Não aceitamos que a CMF injecte mais dinheiro público na Empresa Municipal Frente Mar, que só tem vindo a dar prejuízo, bem como, defendemos que a autarquia deve cortar nos apoios sociais que vem atribuindo a famílias com salários na ordem dos 2500€ a 3000€ mensais, quando existem famílias com rendimentos muito baixos que não beneficiam destes apoios”, referiu este responsável político.

O partido questionou ainda para quando a promoção e respectivos salários aumentados aos Bombeiros Sapadores do Funchal.

Manifestou-se ainda contra a intenção da CMF, de criar Polícia Municipal, o que no seu entender só trará mais despesa à Câmara.

Este dinheiro, na perspectiva do MPT, deve ser canalizado para outras causas. A cidade do Funchal é pequena e já existem duas forças policiais no concelho (PSP e GNR). Com mais esta força policial, a Câmara Municipal quer, segundo o MPT, “angariar receitas através de multas e perseguições aos munícipes”.

“O MPT Madeira defendeu afincadamente que não pode existir qualquer tipo de aumentos nos impostos e taxas municipais e também não esqueceu a urgência da construção de Habitação Social, pois são inúmeras as famílias carenciadas que ainda esperam por uma habitação condigna e aguardam por melhorias nas habitações onde residem em condições extremamente precárias. Sem estas garantias o MPT Madeira votará contra o orçamento para o ano de 2019”, disse Roberto Vieira.