Ireneu alertou para o combate ao populismo, à xenofobia e ao autoritarismo

Ireneu Barreto A
Ireneu Barreto referiu que o autoritarismo é um fenómeno que vem crescendo no mundo.

O Representante da República para a Madeira recebeu hoje, no Palácio de São Lourenço, os representantes do Grupo Geopolítico dos 12+ da União Interparlamentar, que esta segunda-feira, 24 de setembro, reúne na Região o Comité Diretor, liderado pelo deputado Duarte Pacheco. E foi neste momento que Ireneu Barreto lembrou a importância do “combate ao populismo, à xenofobia, ao autoritarismo e ao egocentrismo, que vem aumentando em todo o mundo”.

O Grupo dos 12+, onde Portugal se insere, é um órgão de coordenação que corresponde ao grupo ocidental da UIP e que reúne 47 grupos nacionais no seio da União Interparlamentar. Reúne-se habitualmente em abril e outubro de cada ano, no local onde se realizar a respetiva Assembleia Geral da UIP, e reúne o Comité Diretor mais duas vezes ao ano, antes de cada Assembleia Geral da UIP para preparação das reuniões plenárias.

De acordo com uma nota enviada à comunicação social, é referido que nesta reunião “serão discutidas matérias de índole interna à UIP, como o seu plano e orçamento para 2019 e a alteração aos seus estatutos, mas também matérias de carater político como a criação de um Comité sobre matérias de Terrorismo, a inclusão dos direitos LGBTI nos trabalhos da Comissão de Democracia e Direitos Humanos e a inclusão de um ponto de urgência, que poderá estar centrado nas crises migratórias ou Venezuelana”

Na receção ao Comité, Ireneu Barreto invocou duas das suas vertentes de atuação, atual e passada, para reforçar a relevância daquele daquele orgão na democracia e na paz: “Como Representante da República, entidade que garante a constitucionalidade das leis regionais admira todos aqueles que se esforçam para assegurar que a paz e a democracia no mundo nunca sejam uma quimera; Como antigo juiz do Tribunal Europeu dos Direitos Humanos só pode prestar homenagem à UIP pela sua luta em prol da democracia, dos direitos humanos e da paz no mundo”.

Além disso, sublinha o Representante da República, “por fomentar a igualdade de género a todos os níveis e outras prioridades importantes, como a governança global, a saúde mundial e as mudanças climáticas. A UIP simboliza a luta histórica por um mundo melhor, por leis justas e por uma distribuição mais equitativa dos recursos, com a esperança de que, desse modo, possamos deixar para as futuras gerações um mundo digno de nele se viver.

Ireneu Barreto lembrou que, no dia 15 de setembro, a UIP celebrou o 21º aniversário da Declaração Universal da Democracia e o 11º aniversário do Dia Internacional da Democracia, considerando estas duas afirmações “fundamentais, pois a UIP tem um papel importante no combate ao populismo, à xenofobia e ao egocentrismo que vêm aumentando em todo o mundo”.

O Representante aludiu, ainda, ao facto de, muitas vezes, estes fenómenos serem “a semente que promove o autoritarismo, que também vem crescendo. Todos temos que estar conscientes disso e, para tal, o papel da UIP é essencial. Toda a nossa atenção e esforços devem ser dedicados a eliminá-los”.

Relativamente a esta reunião, na Região, Ireneu Barreto recordou que “o estabelecimento do regime democrático em Portugal, em 1974, e a consequente afirmação das autonomias regionais, permitiram o desenvolvimento socioeconómico da Região Autónoma da Madeira. Tenho certeza que terão a oportunidade de apreciar o que de melhor temos para oferecer: a hospitalidade do nosso povo e a beleza desta maravilhosa região”.