Bocas de incêndio que foram problema nos fogos de 2016 continuam desativadas no Monte, denuncia a CDU

CDU MOnte
A deputada municipal da CDU subiu ao Monte e viu que as bocas de incêndio, um dos problemas detetados nos fogos de 2016, continuam desativadas.

Uma iniciativa política da CDU permitiu constatar, como refere aquele partido, que “passados 2 anos, por exempo na Travessa do Poço Rodrigo, freguesia do Monte, as bocas de incêndio neste sítio foram desativadas”.

A deputada municipal da CDU, Herlanda Amado, denuncia o que diz ser “uma falha gravíssima na protecção de pessoas e bens”. Considera “incompreensível para os moradores que contactamos esta postura da Autarquia. Sentem-se inseguros, porque os riscos mantêm-se e em alguns casos agravaram-se. É necessário que seja garantido da parte da Autarquia Funchalense, uma efectiva rede de proximidade de combate aos incêndios, e uma rede funcional das bocas de incêndios é uma das prioridades que deve ser garantida pela Autarquia.”

Segundo uma nota enviada à comunicação social, a CDU refere que “os problemas persistem desde os incêndios de 2016”, sendo “um dos problemas identificados à data foi a inoperacionalidade de algumas bocas de incêndio, dificultando o trabalho das forças de segurança, que tinham que intervir no socorro às pessoas”.

“A CDU questionou o executivo da Câmara Municipal do Funchal sobre o real estado da rede das bocas de incêndio, tendo em conta a preocupação crescente entre os munícipes, porque apesar de terem uma boca de incêndio junto às suas moradias, não se sentiam seguros, porque não havia a certeza de estarem a funcionar. Foram dadas garantias da parte do executivo, já no anterior mandato, de que seria efectuado um levantamento exaustivo e o ponto de situação sobre as mesmas, sendo feitas intervenções para garantir o funcionamento das mesmas quando necessário”.