“Prioridade do Porto Santo não pode ser a ampliação do campo de Golfe quando o Centro de Saúde está obsoleto”, diz Menezes de Oliveira

Menezes A
Filipe Menezes de Oliveira, vereador socialista e ex-presidente da Câmara do Porto Santo, contesta as prioridades do Governo para a ilha dourada.

Numa recente deslocação ao Porto Santo, onde visitou vários investimentos, o presidente do Governo Regional manteve contactos com a Associação para a promoção do golfe na ilha dourada e mostrou-se agradado pelo facto do campo registar números que, em sua opinião, justificam investimento futuro,  apontando mesmo para o objetivo da amplicação como determinante no combate à sazonalidade.

Este posicionamento de Miguel Albuquerque, que lembrou o facto do atual campo ter estado cheio em 2017, motivou uma reação por parte do anterior presidente da Câmara local, Menezes de Oliveira, na qualidade de veredor eleito pelo PS, mostrando-se “completamente contra esta inversão de prioridades”, considerando que “enquanto o presidente do Governo fala em ampliar o campo de Golfe, a população, a população vive diariamente com problemas na área da Saúde, com material obsoleto no Centro, algum dele sem funcionar, além de consultas sistematicamente adiadas”.

Menezes de Oliveira diz-se “preocupado com estas prioridades que o Governo veio apresentar ao Porto Santo, perante a cumplicidade das entidades locais, em claro contra ciclo com o que realmente é importante para a população, nomeadamente a saúde, onde neste momento, por exemplo no Centro de Saúde, além da cara lavada que foi a pintura exterior das paredes, o serviço revela inúmeras deficiências, com computadores obsoletos, aparelhos avariados, não há formação, havendo muitas queixas da prestação do serviço. É preciso investir nos cuidados de saúde, não só da população, mas também na prestação de cuidados aos turistas que nos visitam, designadamente neste período de verão”.

O ex-presidente da autarquia recusa que “as prioridades possam ir no sentido da amplicação do campo de golfe, sem primeiro avaliar realmente as necessidades. Depois, acontece como aconteceu com o investimento nas Docas, um espaço que praticamente está abandonado, além de outras apostas falhadas do PSD na ilha do Porto Santo. Não estão a cuidar da Saúde mas também não estão a cuidar dos comerciantes, uma realidade que por certo irá minar o futuro das novas gerações”.

O vereador socialista reconhece a importância da Associação para a promoção do Golfe, admite essa mais valia para o desenvolvimento económico da ilha, mas diz que “não chega pintar o Porto Santo de cor de rosa quando há problemas mais preocupantes por resolver Apostar no golfe, sim, mas ampliar o campo não me parece uma prioridade”