Tranquada Gomes desafia Marcelo a realizar o próximo 10 de junho na Madeira

Fotos Rui Marote.

O presidente da Assembleia Legislativa na Madeira lançou o repto ao Presidente da República para que envide esforços no sentido de as próximas cerimónias de 10 de junho, Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades, aconteçam, na Madeira, a exemplo do que se verificou este ano nos Açores.

Mas o discurso do Presidente da Assembleia Legislativa da Madeira, na sessão solene do Dia da Região, no Porto Santo, colocou a tónica na defesa intransigente da autonomia, num necessário combate de todos, sem deixar esta causa por mãos alheias. O presidente da Assembleia Legislativa defendeu mesmo a revisão do Estatuto Político Administrativo da Madeira, antes mesmo da ansiada revisão constitucional. À ânsia redutora e centralista do legislador nacional, o presidente da Assembleia Legislativa pugna pelo respeito do legislador regional, sem desvirtuar os valores da autonomia insular.

Mas, no Porto Santo, é esta terra que esteve muito em foco na alocução do presidente da ALM. Tranquada Gomes recordou todo o percurso histórico de luta dos portossantenses, em condições bastante adversas e frisou que olha para o futuro da Ilha com grande esperança, regozijando-se com as intervenções do Governo Regional no sentido de dar prioridade às aspirações desta terra.

Na sua intervenção, Tranquada Gomes teve ainda uma palavra de relevo para com os madeirenses espalhados pelo mundo, agradecendo o seu contributo. Em particular, destacou os madeirenses que regressam da Venezuela e salientou que a República e a Região têm uma dívida de gratidão para com eles, apelando assim ao adequado acolhimento e integração.