Padre Leonardo Roa Torres despede-se da Madeira ensinando as “sete pedras de cura”

A Igreja do Colégio encheu-se no final desta quarta-feira para a celebração eucarística do sacerdote Leonardo Roa Torres que encerrou, assim, a sua visita de um mês e meio à Madeira, em articulação com a Equipa Diocesana do Renovamento Carismático Católico (RCC).

A celebração, transmitida em direto pelo Posto Emissor do Funchal,  contou também com a participação do sacerdote Óscar Andrade, assistente do RCC na Região, e foi marcada por momentos de testemunhos de cura e de muita emoção na despedida ao sacerdote que pautou esta “pererginação” por diversas paróquias na Madeira privilegiando a clareza da linguagem na evangelização e uma cultura de proximidade com os cristãos que conquistaram os madeirenses.

O padre Leonardo Roa Torres juntamente com o Padre Óscar Andrade, assistente diocesano do RCC na Madeira.

Partindo do Evangelho, este sacerdote colombiano dedicou a sua homilia a explicar aquelas que considera ser as “7 pedras de cura”, dando particular atenção a cada uma delas, no sentido de levar a população a aumentar a fé e a paz que tanto procura. A primeira delas designou de “Oração”, nela incluindo a importância decisiva de rezar o Santo Rosário, as orações de bençãos e de louvor ao sangue de Jesus Cristo.

A Eucaristia foi designada pelo Padre Roa Torres como a segunda pedra de cura. Em vez de permanecerem colados ao televisor ou às redes scoiais, o desafio é participar diariamente na Eucaristia para se alimentar do Corpo do Senhor.

Após a adoração do Santíssimo Sacramento, a celebração litúrgica, transmitida em direto pelo Posto Emissor do Funchal.

A Confissão é a terceira pedra de cura, com recomendação de uma vez por mês. Nela reside o abraço de Jesus aos cristãos, a tão desejada reconciliação. As afirmações correntes de que, vou à missa e confesso-me com Jesus quando quero e onde quero, é uma falácia. Segundo o mentor do RCC, o Padre Emiliano Tardif, quando o sacerdote deixa de confessar, aumentam as corridas aos bruxos e aos psiquiatras.

A Bíblia ou a Palavra de Deus é a quarta pedra de cura, sugerindo o Padre Roa Torres que a mesma seja lida diariamente, nomeadamente o Novo Testamento, nem que seja uma página por dia. Há muitos cristãos que conhecem muitos livros mas não a Bíblia. Urge ler esta fonte de cura, numa tradução rigorosa para não fazer interpretações erradas do texto.

Os testemunhos de cura partilhados pelos cristãos, no final da celebração.

A quinta pedra de crua é o jejum, no sentido do sacrifício. Na verdade, oração e jejum caminham lado a lado e constituem fontes poderosas de cura e libertação. O jejum não significa apenas privação da comida, mas prescindir de um gosto ou hobby ou de parte de uma sobremesa, por exemplo, no sentido de entregar esse sacrifício a Jesus por uma intenção determinada.

Às cinco pedras basilares, o sacerdote Leonardo Roa Torres acrescentou mais duas que considera de relevo: a Comunidade e o Exercício Físico. No que toca à Comunidade, defende que não basta ir semanalmente à missa, mas integrar os grupos de oração e desenvolver a atividade apostólica. Assim sendo, ninguém mais ficará só.

Por fim, a defesa do Exercício Físico até transpirar, aliado a uma boa alimentação, por forma a prevenir certas doenças, num combate firme ao sedentarismo.

Um testemunho também forte da coordenadora diocesana do RCC, Maria da Paz.

Um dos momentos marcantes desta assembleia aberta ao público foi a divulgação de testemunhos dados por cristãos que viveram experiências marcantes de Deus, ao longo dos retiros e demais celebrações do Padre Roa Torres, na Madeira, quer por parte de jovens, quer por parte de adultos, que se curaram de traumas causdados pela morte de familiares e de problemas de saúde física, entre outros.

O assistente do RCC, Padre Óscar Andrade, também agradeceu o contributo do Padre Torres, assim como a coordenadora diocesana do RCC, Maria da Paz, pelos dias intensos de evangelização, bem como a disponibilidade dos grupos de oração e abertura dos muitos sacerdotes que concelebraram com o Padre Torres, nas respetivas paróquias.

É também de referir que, a vinda deste sacerdote à Madeira parte da iniciativa de uma família particular, com valores cristãos muito sólidos, que, em articulação com a Equipa Diocesana do RCC, partilha os ensinamentos do sacerdote com a comunidade cristã da Diocese do Funchal.

Após o abraço a cada participante na Eucaristia, a despedida do Padre Roa Torres foi também feita através da distribuição de um folheto de evangelização que resume as suas principais ideias de evangelização. Ficou o abraço e o “até já” do Padre que regressa agora à Colômbia.